Pular para o conteúdo principal

Combate à corrupção: TCDF vai ensinar líderes comunitários a fiscalizargastos públicos

Entender, acompanhar e fiscalizar a execução dos gastos públicos não é fácil para a maioria das pessoas. Por isso, com propósito de formar fiscais sociais e transformá-los em protagonistas, o Tribunal de Contas do Distrito Federal vai promover um curso sobre orçamento público para líderes e prefeitos comunitários do DF. O treinamento em controle social marca a inauguração da Escola de Contas Públicas do TCDF na próxima segunda-feira, dia 13 de junho de 2016. A ESCON será uma fonte de capacitação permanente de servidores do Governo do DF, da própria Corte e da sociedade sobre temas que colaborem para a utilização eficiente do dinheiro público no DF.

Foto divulgação
No curso gratuito, representantes dos moradores de várias cidades vão aprender, de forma didática e em linguagem acessível, como é elaborado o orçamento público do DF e como inserir as demandas locais na proposta de destinação de recursos. O TCDF também vai ensinar como acompanhar a execução orçamentária, especialmente nas Administrações Regionais e nas áreas de maior interesse da população, como a saúde. 


Após o treinamento, os líderes e prefeitos comunitários saberão onde e como encontrar as informações sobre os gastos públicos do DF, como fiscalizar essas despesas e, ainda, como apresentar denúncias de ilegalidades aos órgãos competentes. "O nosso objetivo é utilizar a capacitação como instrumento de transformação social em cada cidade do Distrito Federal. Municiar o líder comunitário de conhecimento é ampliar e muito a capacidade de fiscalizar os gastos públicos e ainda contribuir para que os recursos disponíveis promovam reais melhorias naquilo que a população mais precisa”, declarou o presidente do TCDF, Conselheiro Renato Rainha.
SERVIÇO
Inauguração da Escola de Contas Públicas
Segunda-feira, dia 13 de junho de 2016, às 8h

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000