Pular para o conteúdo principal

O Brasil muda de comando, saí o vermelho entra o verde amarelo

Opinião

Não há nada que comemorar, pelo contrário temos que lamentar ocorridos nos últimos meses com nosso amado Brasil.

Os agentes políticos e instituições que conduziram o processo de impeachement até aqui levam consigo uma pecha de corruptos e de sempre estarem envolvidos com interesses nebulosos.
Presidente Michel Temer toma posse em Brasília
Michel Temer PMDB, presidente do Brasil

Reforma Política

 "A Reforma Política é o nome dado ao conjunto de propostas de emendas constitucionais (EC) da legislação eleitoral, com fins de tentar melhorar o sistema eleitoral nacional, proporcionando, segundo seus defensores, maior correspondência entre a vontade do eleitor ao votar e o resultado final das urnas".

Pouco referenciada no dia do afastamento da presidente Dilma e da posse de Michel Temer (PMDB) e com apoio da maioria no Câmara dos Deputados, 379 parlamentares, Temer terá uma base mais que suficiente para aprovar qualquer medida de reforma política que indica ficará para um segundo momento, devido a urgência e ao grau de gravidade da crise econômica, mas nem por isso é menos importante.

Reforma Tributária e as primeiras medidas

A manutenção dos projetos sociais criados pelo PT serão mantidos e a intenção do governo e melhora-los.
O equílibrio fiscal é o desafio imediato da equipe econômica liderada por Henrique Meirelles  

A proposta mais ambiciosa, dentro desse pacote, será a fixação de um limite para o aumento dos gastos públicos. As despesas não poderão subir mais do que a variação do Produto Interno Bruto (PIB) do ano anterior, dando previsibilidade à gestão das finanças.

Se o novo governo não conseguir consenso para cortes fortes da despesa terá que aumentar carga tributária. O Ministro do Planejamento Romero Jucá, começará pelo cortes de despesas antes que se cogite qualquer aumento de impostos. Além de o novo governo ter a chance de poder começar o ajuste fiscal e as reformas estruturais que o país precisa, terá que realizar uma reforma administrativa que possibilite a um aumento na contenção de despesas.

O corte na quantidade ministérios e em cargos comissionados já sinaliza um perfil econômico do governo.
As declaração em referência a contenção ou redução dos juros, por parte de integrantes do governo mas é iminente essa decisão pelo COPOM,

Foco no Crescimento 

Quando o presidente em exercício Michel Temer sugere que não falemos em crise e que devemos trabalhar, ele deixa subentendido que muitas serão as distrações no sentido de perder o foco, principalmente da oposição "profissional" do Partido dos Trabalhadores que fadados ao desaparecimento não medirão esforços para que as Medidas Provisórias já encaminhadas ao Congresso Nacional, leia-se Câmara dos Deputados não sejam aprovadas. Isso quer dizer que atravancar o processo de reformas não significa um golpe? Já que essas medidas são de extrema necessidade ao país, mas principalmente aos mais pobres.

E por fim o  Brasil mudou de comando, mas não mudou de problema, mudou o grupo de oposição (os petistas são mais profissionais quando se trata de oposição e mais competente nas ações de mobilização partidária que o PSDB), mas não mudou os quadros que hoje ocupam a esplanada do ministério. 

O Brasil mudou e fortaleceu a democracia, pois tirar do poder uma força política partidária de esquerda como o PT, de forma democrática e com todas as instituições funcionando significa   que o povo amadureceu e cresceu na participação dos grandes temas. Parabéns ao povo brasileiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as