Pular para o conteúdo principal

O PRONA na contra mão

O país tem vivido um momento de grande instabilidade e indefinições, momentos de paralisia, estagnação econômica e profunda crise política e social. Não é à toa que os índices de desempregos, inflação elevada e níveis de violência, só comparados a tempos de guerra, assombram os brasileiros. Isso sem falar na cultura do "jeitinho", aquela de levar vantagem em tudo que parece ter atingido seu ápice na operação Lava Jato (Com início em um posto de gasolina –de onde surgiu seu nome–, a Operação Lava Jato, deflagrada em março de 2014, investiga um grande esquema de lavagem e desvio de dinheiro envolvendo a Petrobras, grandes empreiteiras do país e políticos.)


Dr. Marcelo Vivório - Presidente Nacional do PRONA
Na contramão disso tudo, há em vários setores da sociedade que desejam o breve restabelecimento do caos econômico e político: a igreja, a sociedade de maneira geral, algumas instituições militares e até mesmo alguns que são partidários. Acredite é real e ainda existe jeito pra coisa. Enquanto vários partidos estão atolados até o pescoço com inúmeras denúncias e processos judiciais, o Partido da Reedificação Nacional (PRONA) faz um discurso diferente.

O seu Presidente Nacional Marcelo Vivório (foto) esteve em Brasília, quinta-feira (17), protocolando documentos para a reconstrução do partido, que teve na história recente do Brasil, uma importante marca: a sabedoria do seu líder máximo, doutor Enéias Carneiro, cuja fama de ser patriota nacionalista e estadista, marcou uma geração.

Considerado pelo dirigente máximo, Dr. Marcelo Vivório como sendo de centro direita, o Partido da Reedificação da Ordem Nacional prima por uma economia de livre iniciativa com vista a melhorar a vida do brasileiro.

Enquanto esteve registrado, o PRONA bateu o recorde de partido anticorrupção. Com base em dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral, o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral divulgou um balanço, em 4 de outubro de 2007, com os partidos com maior número de parlamentares cassados por corrupção desde o ano 2000. O Prona aparecia em último lugar na lista, com uma cassação, empatado com Partido Humanista da Solidariedade (PHS), Partido Verde (PV) e Partido Republicano Progressista (PRP).


Para contornar as restrições impostas pela cláusula de barreira da legislação eleitoral, que começaria a vigorar a partir da legislatura de 2007 no Congresso Nacional, o partido se fundiu, em 24 de outubro de 2006, com o PL, criando o Partido da República.


Com a nova diretoria, liderado por Vivório, o partido estabeleceu novos desafios, após o registro definitivo e brevemente participará definitivamente das decisões que mudaram a história do Brasil e para melhor. Presente em vários estados da federação o partido faz campanha permanente para conseguir o registro definitivo.

Serviço: o Presidente Nacional Marcelo Vivório
Tel.: +5522.998728287 – Vivo / +5522.981297228 (TIM)
e-mail: presidente@prona.org.br
Fale com a Coordenação Nacional




Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização