Pular para o conteúdo principal

Notícias do Planalto Central

Opinião

A Câmara Legislativa do Distrito Federal aprovou projeto de lei do Executivo que fixa o Orçamento do Distrito Federal para 2016 em R$ 41,11 bilhões. infelizmente levam até o último dia para aprovar, ontem 16/12. O que indica para uma possível barganha política, pobre de nós eleitores.

Isso não significa muita coisa se esse valor não for direcionado em sua integralidade em beneficio do cidadão. Tão lógico para quem ler, tão superficial para quem é da critíca, mas tão distante para quem o manipula.

Antes disso tudo houve a manobra, vitoriosa, diga-se de passagem nojenta, da presidente da Casa para permanecer no cargo. Ela como tantos que a seguem deveriam ter vergonha, pois falam em "oxigenar" os cargos de liderança do poder público em discursos a favor do rodizio (antes é claro de se beneficiar do posto) e sem falar no escândalos em que se meteu. Talvez ela agora exerça e calce "as sandálias da humildade" e passe a exigir cargos no governo, cargos que menosprezou diante de oposição com visibilidade. Acompanhemos com lupa.


Hamilton Silva: Economista e Blogueiro
Joe Valle volta pra Câmara Legislativa e torna a voltar para a Secretaria do Trabalho pra poder manobrar e aprovar emendas de "seus" interesses. Volta e viravolta típico de quem não tem opinião. Aliás tem sim, o "melhor" pra mim e meus aliados.

Senador Hélio muda de partido e nada muda nada na essência. Meu ceticismo é grande.

O Secretário de Saúde conseguiu sair, um pouco, do foco das criticas, mas o nosso principal problema público não foi resolvido, seja pela falta de assistência do poder público federal seja pela incompetência do setor público local.

O conflito maior do governador Rollemberg é com os servidores que não foi pacificado pelas greves e ações judiciais. O governador parecia perdido, parecia. depois de algumas informações sobre arrecadação e economia no âmbito do planejamento e fazenda o prazo infernal de outubro/16 parece não muito distante diante das reais dificuldades para se cumprir a "promessa".

Enfim, nem vou falar sobre as eleições para administrações regionais, A redução de 20% nos salários do primeiro escalão do governo do Distrito Federal que não vai sair do papel neste ano

"Quem vive de promessa é santo"

Categorias de servidores do GDF se perderam, também, na discussão diante de argumento tão pesado como o "estouro" da LRF. Não concluíram seus projetos de manter o poder de compra dos vencimentos e se viram prejudicados com a crise nacional. Crise que não é só política. Só faltaram dar razão e gerar justificativas ao governador.

O que nos leva a  conclusão que o país está inerte e perplexo diante de tantas indefinições. Acredite amigo, Brasília é a Capital da Esperança.

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as