Pular para o conteúdo principal

São Sebastião é a região administrativa com maior número de famílias em situação crítica


feito pela Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), de julho a setembro, identificou que 5.862 famílias brasilienses consideradas pobres encontram-se em situação crítica. A análise foi feita com base no Cadastro Único do DF e averiguou aspectos que variam desde a renda até o tipo de moradia que essa parcela da população ocupa.

Foram utilizadas informações de 100.616 famílias e 16 variáveis socioeconômicas para avaliar características como tipo de piso da moradia, idade dos moradores e grau escolar de cada um deles. Os quesitos, por sua vez, apontaram cinco dimensões de pobreza: condição da habitação, acesso a ensino médio de qualidade, dependência infantil (presença de criança de até seis anos e ausência de alguém para cuidar dessa criança enquanto os pais trabalham), vulnerabilidade financeira e acesso ao ensino fundamental.

A dimensão que avaliou a moradia é, segundo o estudo, a que mais diferenciou o grau de pobreza das famílias analisadas. Foram consideradas nove características do domicílio: local (urbano ou rural), material do piso, material das paredes, existência de água canalizada, forma de abastecimento de água, escoamento sanitário, existência de coleta de lixo, tipo de iluminação e existência de calçamento.

O cruzamento de todas as variantes deu origem ao Índice Multidimensional da Pobreza no DF. Inédito, o indicador revelou o nível de pobreza em cada região administrativa de Brasília. São Sebastião ocupa o primeiro lugar, com 2,58% das famílias em estado crítico, seguida da Estrutural (2,15%) e de Brazlândia (1,33%). Em números absolutos, são 715 famílias nessa situação em São Sebastião, 191 na Estrutural e 200 em Brazlândia.

Programas habitacionais
O estudo possibilitou ainda apreciar a distribuição dos programas sociais do governo. Segundo a análise, o foco dos benefícios é positivo, mas existem pontos que precisam ser melhorados. Quanto ao Bolsa Família, por exemplo, 2,6 mil pessoas que têm direito a ele não o recebem.

Para o subsecretário de Avaliação e Gestão da Informação da Secretaria de Desenvolvimento Humano e Social, Marcelo Lima, o resultado é de extrema importância para basear o planejamento de políticas públicas que atendam ao público-alvo da pesquisa. "Entender as áreas mais carentes facilita para que elas sejam prioritárias na hora de definir as ações."


CODEPLAN


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000