Pular para o conteúdo principal

Sandra Faraj se engaja em campanha contra drogas

Deputada faz vídeo mobilizando população contra descriminalização do usuário. Para ela, se o Supremo aprovar a medida, a luta contra a drogadição sofrerá retrocesso

 

“O usuário de drogas tem de ser tratado e não estimulado a usar essas substâncias que destroem vidas e famílias inteiras”. Essas são palavras da deputada distrital Sandra Faraj (Solidariedade), que nessa quinta-feira (3/09), lançou em suas redes sociais um vídeo com objetivo de mobilizar a população do DF contra a descriminalização do usuário de drogas.

 

O tema, há algumas semanas, entrou na pauta do Supremo Tribunal Federal (STF). Motivados por uma onda de pedidos pela descriminalização do usuário, principalmente para derrubar prisões preventivas (decretadas antes da condenação) ou reduzir penas de pessoas já condenadas, a corte avalia a constitucionalidade da matéria.

 

Para Sandra Faraj, que há mais de 10 anos, trabalha com pessoas que querem se livrar da dependência química, os ministros precisam enxergar que estes usuários são dominados pelo vício. “Não podemos encarar como algo normal. As consequências são graves e essa liberação pode refletir em mais violência e desequilíbrio social”, avalia.

 

Sandra destaca ainda que a descriminalização do usuário pode ser um grande passo no processo de legalização das drogas. “Se isso passar, poderemos ter médicos, pilotos, professores, advogados e qualquer outro profissional portando e usando legalmente drogas ilícitas. Vejam como é contraditório! Não podemos falar em legalização de algo que destrói o ser humano”, afirma.

 

No vídeo, a parlamentar aconselha a mobilização popular por meio do envio de emails e, ligações registradas na Ouvidoria do STF. A ideia é mostrar a suprema corte que a sociedade está unida em nome da vida humana e contra a legalização das drogas.



https://youtu.be/SsSfaLjvg3k

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000