Pular para o conteúdo principal

A frustração chamada RR

Quando as eleições de 2014 pareciam indicar uma vitória esmagadora de uma parcela da sociedade que estava cansada dos velhos "Coronéis do Cerrado", tudo isso representado pelo senador Rodrigo Rollemberg, os grupos influenciadores do Distrito Federal pareciam estar aliviados e conformados com a vitória dos socialistas na capital. Mas não porque as coisas iriam mudar radicalmente, mas simplesmente porque o poder ia mudar de mão, só que não, ainda não mudou.

Tudo indicava numa mudança de resultados concretos para uma sociedade de classe média de intenso envolvimento político e formador de opinião. A vitória de RR, me permita chamar o nosso governador por essa sigla, direcionava nossas mentes para transformadora gestão de recursos, para uma exclusão dos petistas influenciadores e militantes intelectuais. Infelizmente isso, ainda não aconteceu. Mas será por que?

As coisas foram muito mau interpretadas por nós eleitores, sim as verdades ditas pelo candidato do PSB, por exemplo: Lembra que o ex-deputado Jofran Frejat propôs uma passagem de ônibus a R$1,00. O que podemos concluir com isso é que os dois mentiram, mas o pecado de um não anula o outro e aprendi muito cedo que não existe pecadinho ou "pecadão", é tudo pecado. 

Não devíamos crer em tão grande transformação, não devíamos confiar tanto. Nós devíamos, em primeiro lugar, saber que os recursos que aqui ingressam quase todos são de fontes externas ou do governo federal, e não acreditar em milagres filosóficos ou ideológicos, afinal não podemos separar os petistas enraízados em cargos importantes da palavra socialismo, bom aí é outra estória.

Hamilton Silva: Economista e Blogueiro
Não poderíamos acreditar que o  governo de R.R fosse tão ruim, até porque os desmandos que assolaram a capital foram terríveis instrumentalizadas e efetivadas pelo partido dos trabalhadores. Mas pera aí. O atual governo não foi eleito para governar uma Brasília já "estourada" pela parte vermelha? O governador não tem a obrigação de acertar ou fazer um governo excepcional, entretanto, tem a obrigação de zelar pelos seus eleitores. Não agradar, mas zelar pela qualidade de vida, organizar e até estimular aqueles que são detentores da Liberdade de Empreender, mas principalmente gerir por aqueles com maior dificuldades de acesso à saúde pública, por exemplo.

Não podemos focalizar o pico da crise nesse momento, não podemos dizer que chegamos no fundo poço - já tivemos governador preso - mas podemos facilmente, identificar que a soluções mais elementares estão ficando para depois. Talvez seja porque veio do legislativo? Creio que não. Mas creio que suas ações como principal agente político do DF procurou agradar "Deus e o mundo" dentro da composição partidária e os não abarcados nesse afago, vão aos microfones e pregam contra, sem falar nos formadores e principalmente os servidores públicos.

Tente agradar a todos e logo saberá o caminho do fracasso. 

Servidores públicos e classe média são aqueles que movimentam nossa economia, são eles que direcionam todos os votos da política Candanga, desagrada a esses e terá inimigos vital.

Quando o governo de RR resolveu marcar outubro como sendo o mês de pagamento dos reajustes do funcionalismo, esse mesmo governo propôs unificar os movimentos de "revolta". Foi o próprio governo que avaliou "pagar" esses reajustes, no próximo mês. Seja em Acordo Coletivo ou não. O fato é que se deve pagar.

Se há créditos para esse governo avalio que sim, ainda podemos acreditar, pois o rombo é muito maior que imaginamos, mas o limite de toda compreensão já está no fim. Até parece que somos vítimas de um petezinho local, decidindo "avacalhar" com todos que o elegeram.  

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização