Pular para o conteúdo principal

Rentabilidade maior para o FGTS

Na semana passada o congresso aprovou o aumento da remuneração das contas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), em uma escada de aumentos anuais que propõem a elevação do rendimento de TR+3% ao ano para TR+6,17% ao ano em 2019 – de forma a igualar com a poupança. 

De um lado, o governo afirmava que o aumento da remuneração do FGTS afetaria os programas habitacionais e de saneamento voltados à baixa renda.

Do outro lado, algumas das lideranças da Câmara argumentavam que o FGTS produz R$ 17 bilhões de lucro por ano e, ainda por cima, tem um patrimônio de R$ 90 bilhões. Sendo assim, seria possível carregar nas costas estes programas habitacionais e de saneamento por muitos anos.

Qual das duas narrativas está correta?

Na minha opinião, o FGTS sempre representou uma perda forçada àqueles que têm seus saldos arruinados pela inflação ano após ano - uma melhor remuneração seria o correto a se fazer.



Por outro lado, a remuneração do FGTS para TR+6,17% traz um desequilíbrio importante para o mercado de imóveis voltados à população de baixa renda. Como a Caixa Econômica Federal (CEF) continuará fazendo empréstimos para o Minha Casa Minha Vida com taxas de TR+5,5% ao ano se o custo do dinheiro vai aumentar para TR+6,17% ao ano?

E como o FGTS continuará tendo lucros de R$ 17 bilhões ao ano se a principal fonte deste lucro for eliminada? O lucro do FGTS vem justamente do baixo custo do dinheiro que ele recebe. Então não é possível falar do financiamento da moradia popular com os lucros do Fundo, pois esses lucros não existirão mais.

A proposta da Câmara impõe ao FGTS uma redução constante do seu patrimônio. Só assim seria possível continuar financiando as moradias populares. Em outras palavras, a proposta levaria a uma quebra do FGTS no longo prazo.

Apesar dos bilhões de reais em patrimônio, não há como fazer um programa de financiamento de longuíssimo prazo que perde dinheiro todo santo mês. É uma bomba relógio.

Este é o tipo de proposta insustentável no longo prazo. Ou seja, é preciso que os custos dos financiamentos do Minha Casa Minha Vida sejam elevados a um novo patamar para refletir esse novo rendimento do FGTS.

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização