Pular para o conteúdo principal

Prospera libera mais de R$ 400 mil em empréstimos

Programa da Secretaria do Trabalho financia pequenos e micronegócios urbanos e rurais. Este ano, favoreceu 82 pessoas com R$ 953.343,11


Mais 38 empreendedores foram beneficiados, nesta segunda-feira (29), na Agência do Trabalhador do Plano Piloto, com recursos do Fundo de Geração de Emprego e Renda do DF. Por meio do Prospera — programa da Secretaria do Trabalho e do Empreendedorismo de incentivo a pequenos e microempreendimentos urbanos e rurais —, o empréstimo foi de R$ 409.100,13. Com isso, a soma de financiamentos para capital de giro, investimento e custeio concedidos em 2015 chega a R$ 953.343,11. 

Na primeira assinatura de contratos, ocorrida em 10 de junho, 44 pessoas receberam crédito de R$ 544.242,98. A próxima, em data ainda não definida, destinará cerca de R$ 313 mil em financiamentos.

“Em breve, atingiremos mais de R$ 1,2 milhão de empréstimos”, comemora o secretário do Trabalho e do Empreendedorismo, Georges Michel. “Até dezembro, queremos emprestar R$ 8 milhões, pois nossa meta é manter emprego, ocupação e gerar renda."

Santo Bispo dos Reis, 65 anos, um dos contemplados de hoje, é um antigo cliente do Prospera. No ramo de compra e venda de materiais recicláveis, principalmente alumínio e garrafas, ele fechou, nesta segunda-feira, o seu décimo-segundo contrato do programa: “Agora, vou fazer um local para depósito melhor, mas, graças a esses empréstimos, pude trabalhar com tranquilidade e construir três moradias para alugar”. 

Juros baixos
O Prospera apoia empreendimentos nas áreas urbana e rural localizados no Distrito Federal e na Região Integrada de Desenvolvimento Econômico do DF. Beneficia os setores de comércio, produção e serviços; cooperativas de trabalho e investimento; e custeio de atividades agrícolas.

O programa é voltado para empreendedores urbanos do setor informal, microempresas ou empresas de pequeno porte, artesãos e cooperativas de trabalho e produção. Na área rural, atinge produtores familiares e também associações de trabalho ou produção.



Entre as vantagens da iniciativa a empreendedores urbanos e rurais, está a baixa taxa de juros — 0,54% ao mês para quem utiliza os recursos como capital de giro e 0,5% mensal para os que pretendem fazer investimento em seus negócios.

Outro atrativo é o prazo de pagamento: até um ano e meio com carência de três meses para capital de giro; e até 30 meses com opção de até seis meses de carência a empréstimos contraídos para investimentos.

Setor agrícola
O crédito rural apresenta juros de aproximadamente 2% ao ano, com um ano, mais 12 meses de carência para pagamento quando o recurso se destinar a custeio; e 3% anuais a dinheiro aplicado em investimento, com 60 meses de prazo de quitação e até dois anos de carência.

Os recursos podem ser utilizados para aquisição de mercadorias, matérias-primas, insumos agrícolas — sementes, defensivos, adubos e outros —, compra de ferramentas, máquinas e equipamentos, além da recuperação e conserto de veículos utilitários e melhoria e/ou ampliação de instalações próprias.

Os limites de crédito do Prospera aumentam à medida que o empreendedor faz novos financiamentos. Os empréstimos limitam-se a R$ 22,6 mil para pessoas físicas; R$ 45,2 mil a jurídicas e produtores rurais; e até R$ 66 mil no caso de cooperativas de trabalho e produção. 

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as