Pular para o conteúdo principal

A presença feminina na política



A presença feminina na política
Por Luzia de Paula
No próximo domingo (8) comemoramos o Dia Internacional da Mulher. A data de 8 de março é associada a um fato histórico que teria dado origem à comemoração, que foi um incêndio onde dezenas de mulheres foram mortas numa fábrica têxtil e ocorreu em Nova York. Na ocasião as mulheres lutavam por melhorias no ambiente de trabalho e apesar de algumas conquistas vemos que as mulheres continuam lutando pelos mesmos motivos, ano após ano. As desigualdades no mercado de trabalho, nas famílias e em outras esferas sociais ainda hoje estão presentes.
Na política a grande barreira para a participação das mulheres é a própria estrutura partidária. Os partidos não garantem condições para as mulheres concorrerem em pé de igualdade com os homens.
Os principais motivos para as mulheres não se candidatarem são: a falta de apoio dos partidos políticos, a falta de interesse por política, a dificuldade de concorrer com os homens, além da falta de apoio familiar.
O fato dos brasileiros já terem eleito uma mulher para Presidência da República fortaleceu a participação feminina na política nacional, o que influência o eleitorado a escolher mais mulheres. O eleitorado está disposto a votar em mais mulheres e não considera o sexo do candidato na hora de optar pelo voto.
A eleição de 2014 foi a primeira que a cota feminina de 30% foi cumprida por todos os partidos, chegando a 31%. Para isso foi necessário uma resolução do Tribunal Superior Eleitoral que permitisse que fosse negado o registro da chapa que estivesse fora da regra.
É necessário que o Ministério Público Federal fiscalize as campanhas e evite o que considero ser "candidaturas-laranja", que apenas inclui as mulheres para ficar dentro da lei, sem dar estrutura para competir realmente.
Somos mais de 50% da população e do eleitorado, respondemos por mais de 45% da produção deste país e pelo sustento de 1/3 das famílias, mas todo esse protagonismo não reflete na nossa representação política. O problema tem sua raiz na discriminação que as brasileiras sempre sofreram em todo processo histórico.
Uma das etapas para vencer este preconceito seria uma maior inserção das mulheres na propaganda partidária que os partidos políticos têm direito. Isso não mudará da noite para o dia, pois é um processo de longo prazo, onde os percentuais de recursos e de tempo de propaganda previstos devem ser melhor distribuídos entre homens e mulheres.
A minirreforma eleitoral de 2009 ainda incluiu que a propaganda dos partidos deve difundir a participação feminina na política. O tempo mínimo obrigatório para isso é de 10% do total reservado a cada legenda que fica abaixo dos 30% exigidos nas candidaturas e dos mais de 50% que é a estatística feminina no pais. O que só comprova toda essa desigualdade.
O maior reconhecimento e a melhor homenagem são o respeito e o amor diário. O dia 8 de março serve para comemorar, para relembrar e principalmente para nos conscientizar a continuar lutando por melhores espaços na sociedade.

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000