Pular para o conteúdo principal

A presença feminina na política



A presença feminina na política
Por Luzia de Paula
No próximo domingo (8) comemoramos o Dia Internacional da Mulher. A data de 8 de março é associada a um fato histórico que teria dado origem à comemoração, que foi um incêndio onde dezenas de mulheres foram mortas numa fábrica têxtil e ocorreu em Nova York. Na ocasião as mulheres lutavam por melhorias no ambiente de trabalho e apesar de algumas conquistas vemos que as mulheres continuam lutando pelos mesmos motivos, ano após ano. As desigualdades no mercado de trabalho, nas famílias e em outras esferas sociais ainda hoje estão presentes.
Na política a grande barreira para a participação das mulheres é a própria estrutura partidária. Os partidos não garantem condições para as mulheres concorrerem em pé de igualdade com os homens.
Os principais motivos para as mulheres não se candidatarem são: a falta de apoio dos partidos políticos, a falta de interesse por política, a dificuldade de concorrer com os homens, além da falta de apoio familiar.
O fato dos brasileiros já terem eleito uma mulher para Presidência da República fortaleceu a participação feminina na política nacional, o que influência o eleitorado a escolher mais mulheres. O eleitorado está disposto a votar em mais mulheres e não considera o sexo do candidato na hora de optar pelo voto.
A eleição de 2014 foi a primeira que a cota feminina de 30% foi cumprida por todos os partidos, chegando a 31%. Para isso foi necessário uma resolução do Tribunal Superior Eleitoral que permitisse que fosse negado o registro da chapa que estivesse fora da regra.
É necessário que o Ministério Público Federal fiscalize as campanhas e evite o que considero ser "candidaturas-laranja", que apenas inclui as mulheres para ficar dentro da lei, sem dar estrutura para competir realmente.
Somos mais de 50% da população e do eleitorado, respondemos por mais de 45% da produção deste país e pelo sustento de 1/3 das famílias, mas todo esse protagonismo não reflete na nossa representação política. O problema tem sua raiz na discriminação que as brasileiras sempre sofreram em todo processo histórico.
Uma das etapas para vencer este preconceito seria uma maior inserção das mulheres na propaganda partidária que os partidos políticos têm direito. Isso não mudará da noite para o dia, pois é um processo de longo prazo, onde os percentuais de recursos e de tempo de propaganda previstos devem ser melhor distribuídos entre homens e mulheres.
A minirreforma eleitoral de 2009 ainda incluiu que a propaganda dos partidos deve difundir a participação feminina na política. O tempo mínimo obrigatório para isso é de 10% do total reservado a cada legenda que fica abaixo dos 30% exigidos nas candidaturas e dos mais de 50% que é a estatística feminina no pais. O que só comprova toda essa desigualdade.
O maior reconhecimento e a melhor homenagem são o respeito e o amor diário. O dia 8 de março serve para comemorar, para relembrar e principalmente para nos conscientizar a continuar lutando por melhores espaços na sociedade.

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.