Pular para o conteúdo principal

Os três D's do RR

Decisão

As decisões antipopulares tomadas nos primeiros trinta dias do governo Rollemberg lhe proporcionou uma possibilidade de sucesso quando usados os recursos arrecadados não só para acertar os pagamentos atrasados e faturas a vencer.



Terá que tomar novas decisões que agregue substância na gestão distrital tão depreciada em sua rede estrutural de governança.



Nomeou nomes com muito conteúdo técnico, principalmente no primeiro escalão , mas desagradou a muitos em preservar alguns simpatizantes do petismo e vacilou significativamente na costura da colcha de retalho que revelou os embates quase que selvagens pelas administrações regionais contabilizando muitos feridos.

Determinação
Determinado em obter sucesso, o GDF sinaliza para uma nova fase nas ações políticas nesse inicio de fevereiro, ou seja, mãos à obra.

A questão de limitar eventos sociais de grande visibilidade, como a Formula Indy e outros demonstra a efetiva objetividade do governador no que diz respeito à coerência dos discursos de posse quando foi amplamente divulgado o desequilíbrio das contas, quase beirando a Irresponsabilidade Fiscal de Agnelo (vamos aguardar os movimentos do Ministério Público nos próximos dias).

Disciplina
A manutenção da política fiscal e de arrecadação anunciada na segunda quinzena de janeiro poderá ser o grande diferencial do governo de Rodrigo Rollemberg caso a manipulação desses recursos sejam direcionados para o bem da cidade.

Apesar das medidas serem "duras" a população do Distrito Federal sinaliza para uma tolerância e uma certa aceitação das iniciativas muito parecidas ao do governo federal que são rechaçadas veementemente pela nação, mas aí acho que seja pela figura da presidente, muito rejeitada.

O apoio popular e a paciência do brasilienses tem data de validade, portanto é importante que os eleitos acelere os passos no que tange as pendências, mas que as iniciativas positivas do governo anterior sejam melhoradas o quanto antes.

Não cabe mais uma discussão por cargos e debates estéreis.

Entre mortos e feridos todos sobreviveram muito bem aos trinta primeiros dias.

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000