Pular para o conteúdo principal

Isenção do IPVA não aqueceu economia do DF

Constatação levou governo a propor volta do imposto para carro zero-quilômetro no primeiro ano

Implementada em 2012, a isenção do Imposto de Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) no primeiro ano tinha como principal objetivo evitar que moradores do Distrito Federal comprassem carros em outras unidades da Federação. Três anos depois, mesmo com esse benefício, estudos da Secretaria de Fazenda apontam que a arrecadação da cidade com a venda de veículos novos diminuiu.


Em 2011, quando os automóveis eram comercializados sem a isenção do IPVA, Brasília recolheu R$ 559 milhões com o imposto. Em 2014, com a regra em vigor, o valor obtido foi de R$ 545 milhões. Ou seja, considerando a inflação do período, houve redução de R$ 14 milhões na receita.


O mesmo fenômeno pôde ser observado na avaliação do Imposto de Circulação de Mercadorias de Serviço (ICMS). Em 2011, o DF obteve receita de R$ 235,1 milhões. No ano seguinte, mesmo com as concessionárias propagando a venda de carro zero-quilômetro com isenção de IPVA, a arrecadação do ICMS, em valores reais, caiu R$ 21 milhões.


De acordo com o levantamento, houve incremento em 2013 e 2014, mas, provavelmente, tais resultados ocorreram em função da retomada parcial do aumento das alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), base de cálculo do ICMS, e a fatores de conjuntura econômica.


No modelo atual, ao comprar um carro zero, o consumidor deixa de pagar o IPVA no primeiro ano, mas, nos três seguintes, a alíquota do imposto passa de 3% para 3,5%, reduzindo 0,5% no quarto ano de pagamento.


Para o assessor especial de gabinete da Secretaria de Fazenda, Wilson José de Paula, os números comprovam que não há evidências de uma mudança radical no comportamento dos consumidores da capital do País. "Não se verificou esse movimento de quem tinha o hábito de comprar em outro domicílio voltar a comprar no DF por causa da isenção do IPVA", explica de Paula, ex-subsecretário de Receita da pasta.


Menos emplacamentos
De Paula salienta a retração no número de automóveis emplacados nos últimos três anos. Embora deva ser levado em consideração o desaquecimento do setor em 2014, a procura de carros novos caiu, mesmo com a isenção do IPVA. Em 2011, o Departamento de Trânsito do DF (Detran-DF) emplacou 110.852 veículos, contra 98.370 no ano passado.


O fato de não alcançar as metas propostas com a medida fez o atual governo propor, no plano Pacto por Brasilia, anunciado no dia 27 de janeiro, o fim da isenção do IPVA para veículos zero-quilômetro. Essa e outras medidas de ajustes de impostos ainda precisam passar pelo crivo dos deputados distritais e, se aprovadas, começam a valer em 2016.

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.