Pular para o conteúdo principal

Polícia Militar (DF) gasta R$ 157,9 mil em ração para cães

Os cães da Polícia Militar do Distrito Federal devem ser bem alimentados em 2015. Cerca de R$ 157,9 mil estão registrados nas contas da PM para a aquisição de 17.600 pacotes de ração para cães filhotes e adultos. A preferência dos animais, ao que parece, é de ração de frango e da marca Premier.

Naturalmente, em um início de ano, algumas compras de reposição e de melhoria do ambiente de trabalho são feitas. Esta semana os gastos começam com uma compra do Gabinete da Vice-Presidência da República de R$ 8 mil em artigos de banho e roupas de cama para o Palácio do Jaburu, em Brasília.
Estão inclusos na compra dez jogos de banho, dez toalhas, 19 jogos de cama dos tipos Queen, King e solteiro e oito mantas, sendo seis de solteiro e duas de tamanho King. O Palácio do Jaburu foi projetado por Oscar Niemeyer para ser a residência oficial do vice-presidente da República e é usado exclusivamente para moradia.


A Secretaria do Superior Tribunal de Justiça também comprará mobília para a Corte. Duas poltronas fixas para pessoas com sobrepeso que devem custar um total de R$ 5,6 mil, e 40 frigobares para escritório por R$ 27,6 mil estão no carrinho do órgão. As cadeiras terão braços, assentos e encostos em madeira maciça, todos com estofamento e a base com tubo de aço.

A Câmara dos Deputados viu necessidade em adquirir 36 notebooks “all in one”, com tela sensível ao toque para “facilitar o registro biométrico de presença e de votação, de forma rotativa nas comissões da Câmara”. Para tanto, empenhou (reservou em orçamento) R$ 119 mil nos computadores da marca Dell Optilex 3030.

Já o Superior Tribunal Militar está começando o ano com a aquisição de itens menores, do dia a dia, como 45 porta-canetas e 1.500 calendários de mesa por R$ 6,7 mil. Os porta-canetas serão em couro marrom, com detalhes personalizados e direito à espaço para bloco de notas de 100 folhas.

Compra de veículos

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) comprará quatro furgões e 50 veículos do tipo Sedan por R$ 3,6 milhões. Os carros servirão para necessidades gerais internas. De acordo com o órgão são frequentes os problemas com deslocamentos de passageiros e de materiais.
Já o Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região adquirirá quatro carros do tipo Doblô, cargo 1.8 16V Flex, da Fiat e na cor branca ao custo de R$ 225 mil. Cada veículo custará unitariamente cerca de R$ 56,3 mil.

Outro com a compra da mesma quantidade de veículos automotores é o Ministério Público. Serão viaturas para o transporte de pessoal, da Chevrolet, no modelo Spin e com capacidade de sete passageiros. Ao todo, a compra sairá um pouco mais barata que a dos Doblôs, por R$ 223,6 mil.



*Vale ressaltar que, a princípio, não existe nenhuma ilegalidade nem irregularidade neste tipo de gasto feito pela União e que o eventual cancelamento de tais empenhos certamente não ajudaria, por exemplo, na manutenção do superávit do governo ou em uma redução significativa de despesas. A intenção de publicar essas aquisições é popularizar a discussão em torno dos gastos públicos junto ao cidadão comum, no intuito de aumentar a transparência e o controle social, além de mostrar que a Administração Pública também possui, além de contas complexas, despesas curiosas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.