Pular para o conteúdo principal

Porta dos Fundos


Em janeiro de 2011 quando Agnelo Queiroz tomou posse, nós brasilienses geramos uma expectativa positiva de que as vergonhas passadas no ano anterior não se repetiriam. Prometeu estabelecer ordem em 100 dias concluiu esse ciclo de quatro anos e fracassou. Claro que teve pontos positivos.....quais mesmos?


- Brigou com empresários do transporte dando início a uma nova visão de modalidade, mas não passou disso;

- Brigou com servidores, mas com muitas resistências aumentou salários de alguns outros;

- Conduziu uma transição limpa (DF em ação), diria transparente;

- Não se ouviu noticias de corrupção, "meno male".

Mas o chefe do executivo local surpreendeu a todos da capital da pior forma possível, gastou muito em obras muito bem faturadas e mesmo assim não capitalizou politicamente a seu favor os feitos.

Tratou os problemas do Distrito Federal com indiferença e pouca criatividade. Não foi feliz nas escolhas do secretariado e nem tratou as relações trabalhistas diferente das judicadas pelo governo federal, procurou criminalizar todo processo característica de um fascismo disfarçado.

Esse comportamento de gestão só revelou o tamanho da depreciação politica do Partido dos Trabalhadores e da incompetência de muitos outros na gestão e trato nas relações sindicais e sociais. 

Semana passada o governador declarou através da imprensa de um possível "estelionato" referindo-se à eleição de Rodrigo Rollemberg (PSB). Não quero acreditar que nos últimos dias de governo Agnelo e ele perdeu completamente. Só cabe relembrar sua eleição em 2010 que concorrendo "sozinho" quase perdeu, gaguejava sozinho no debate. Não podemos nem comparar. 

Infelizmente o eleitor tem memoria curta. O eleitor é capaz de nem lembrar em quem votou no ultimo outubro de 2014. Mas esse mesmo eleitor(cidadão) irá lembrar que teve um governador que por sua e ingerência subtraiu de sua ceia de natal alguns itens capaz trazer sorrisos inesquecíveis. Atrasando salários e 13º. Uma vergonha para o partido que usou esses mesmos trabalhadores para chegar ao poder. 

Infelizmente isso já está passando aqui em Brasília mas o PT ainda irá governar o Brasil.

Muito feio escrever isso. Mas o médico que deveria ter sido uma referência em sua área deixou uma situação muito pior daquela que encontrou. Se ele não tivesse feito nas outras áreas absolutamente nada e tivesse melhorado a saúde do brasiliense já seria considerado um dos melhores governadores da história do DF. Utopia, assim como uma das "referencias" na educação do Brasil o "homem bom" e agora senador foi marcado por uma das piores gestão da capital federal. Algo em comum entre os dois? Sim claro que tem, alugaram a sigla para se elegerem..... nada demais.... pra esse pobre eleitor.... tudo demais.

Seria prudente demais que o governador não se pronunciasse mais. Que saisse pela porta da frente do Palácio Buriti com aplausos, infelizmente nem assim teria o "glamour" de um governador popular.


Triste.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000