Pular para o conteúdo principal

Equipe de Transição do GDF


O governador do Distrito Federal eleito, Rodrigo Rollemberg (PSB), terminou de definir, nesta terça-feira (4/11), os nomes que farão parte do seu grupo de transição. Além da coordenação geral, composta por seis nomes, ao todo serão oito grupos temáticos subdividos em várias áreas. Confira a composição abaixo:

Coordenação da equipe: 

Coordenador-geral: Hélio Doyle. Também foi coordenador geral da campanha. Tem função central na transição, com responsabilidades técnicas e políticas. É o porta-voz do governador eleito. É jornalista com mestrado em Comunicação pela UnB (cursou doutorado em Relação Internacionais, mas não concluiu)

Coordenadora-executiva: Leany Lemos. Servidora de carreira do Senado, trabalhar na liderança do PSB. Auxilia Doyle e é responsável por cuidar de questões internas, como articulações.

Coordenador de Área Técnica: Carlos Henrique Tomé. Servidor de carreira do Senado, também trabalha na liderança do PSB. Coordena e faz articulações entre grupos temáticos.

Coordenador de Relação com o Governo: Rômulo Neves. Diplomata, é a ponte para questões cotidianas entre as equipes de transição do atual e do futuro governos.

Coordenador de Objetivos Estratégicos: Paulo Salles. Biólogo, é professor aposentado da UnB. Está em suas mãos a responsabilidade de definir o tamanho da estrutura do novo governo.

Coordenador de Relações Políticas e com a Sociedade: Marcos Dantas. Presidente regional do PSB, tem formação em administração. Trata de assuntos políticos (articulação com partidos) e relacionados com movimentos sociais.

Grupos temáticos: 

1) Saúde

Coordenador: Tiago Araújo Coelho de Souza. Doutor em Saúde Pública na área de epidemiologia pela Universidade de Kentucky (UKY) (2009). É professor adjunto do Departamento de Odontologia da Universidade de Brasília (UnB) e foi bolsista de várias entidades de pesquisa como PIPES/UFPA, CNPq, CAPES e Fulbright.

2) Educação

Coordenador: Júlio Gregório. Professor, formado em Química pela Universidade de Brasília e pós-graduado em Administração da Educação e Avaliação Institucional. Foi Diretor do Centro de Ensino Médio Setor Oeste e de escolas particulares. Atuou como Diretor do Departamento de Planejamento da Secretaria de Educação do DF e integrou o Conselho de Educação do Distrito Federal. Atualmente é membro do Conselho Técnico Científico para Educação Básica da Capes.

3) Mobilidade

Coordenador: Higor Guerra. Mestre em Transportes pela Universidade de Brasília. Analista de Infraestrutura do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, com exercício na Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades (desde 10/2008). Trabalha com a Política Nacional de Mobilidade Urbana e é coordenador do Grupo de Trabalho de Mobilidade Urbana do PDT-DF.

4) Segurança

Coordenador: Arthur Trindade Maranhão Costa. Doutor em Sociologia pela UnB (2003). É Professor Adjunto da Universidade de Brasília, onde também coordena o Núcleo de Estudos sobre Violência e Segurança (NEVIS), com quase 20 anos de pesquisa na área de Segurança Pública. Atualmente é ainda integrante do Conselho de Administração do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

5) Planejamento, Orçamento e Gestão

Coordenadora: Rita de Cássia Leal dos Santos. É Doutora em Políticas Públicas e Gestão para o Desenvolvimento pela Universidade de Manchester (2005). Atualmente é Consultora de Orçamentos, Fiscalização e Controle do Senado Federal.

5.1 - Subgrupos:

a) Orçamento e Finanças;
b) Organização Administrativa do GDF;
c) Administração das Empresas Públicas;
d) Administrações Regionais;
e) Gestão, Transparência e Participação Popular.

6) Políticas Sociais

Coordenadora: Cleide Lemos. Graduada em Letras, Letras Tradução e Direito, todos pela Universidade de Brasília. Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental (ENAP) e em Direitos Humanos (UnB/Escola do MPDFT/University of Essex). Mestre em Letras. Foi técnica do Tesouro Nacional e analista de finanças e controle (Ministério da Fazenda); analista judiciária (Superior Tribunal de Justiça); e é consultora legislativa do Senado Federal na área de Direitos Humanos e Cidadania há 18 anos.

6.1 - Subgrupos:

a) Cultura;
b) Esportes;
c) Habitação;
d) Trabalho;
e) Segmentos Sociais;
f) Assistência Social.

7) Infraestrutura

Coordenador: Maurício Ludovice. Engenheiro Químico, Master of Science em engenharia ambiental e PhD em Engenharia pela Universidade de Newcastle - Inglaterra. Atuou como consultor do Banco Mundial, BID e KfW. Projetista de estações de tratamento de água e esgotos no Brasil e exterior. Atualmente é Superintendente de Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Caesb.

7.1 - Subgrupos:

a) Urbanismo;
b) Energia;
c) Resíduos Sólidos;
d) Saneamento;
e) Regulação Fundiária.

8) Desenvolvimento Sustentável


Coordenador: Marcelo Dourado. Formado em História pela Universidade de Brasília, com pós-graduação em Administração Pública na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Foi secretário de Turismo do Distrito Federal, secretário de Desenvolvimento do Centro-Oeste (SCO), órgão do Ministério da Integração Nacional, e diretor da Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco).

8.1 - Subgrupos:

a) Comércio, Indústria e Serviços;
b) Agricultura;
c) Turismo;
d) Ciência, Tecnologia e Inovação;
e) Políticas para o Entorno;
f) Meio Ambiente.


CB

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as