Pular para o conteúdo principal

Terrorismo dos desesperados

Por muitos anos o Partido dos Trabalhadores prezou por ética e por coerência. Em 1989 o medo implantado pelo candidato Fernando Collor foi a sua principal arma para desbancar um operário desqualificado. Collor de Melo venceu e o povo trabalhador viu-se confuso com sua escolha.

Nessas eleições (2014) o PT vem fazendo o que sempre condenou em sua "retórica construtiva", O que sedimenta como campanha pra eles, hoje é uma desesperada tática de sobrevivência. Esquecem tudo o que sempre pregaram e se apegam na estrutura de poder para continuar governando. Atiram pra todos os lados. Se a vaca for para o brejo..... vamos levar mais gente possível

A militância, aparentemente apática, assisti perplexa a mais um escândalo de  corrupção na Petrobras. Isso parece ter dado uma sacudida na militância petista que até agora não tomou às ruas. Parece que isso já está mudando o planejamento das agendas. 

Bater e escorraçar um ex petista é prática comum desses petistas Stalinistas que dominam o partido da estrela. Isso aconteceu com dezenas. Ah nem precisa ser do PT. O "pobre" do Ronaldinho fenômeno foi colocado de escanteio depois que ameaçou fazer criticas à gestão do maior evento de futebol - Word Cup 2014.

Não vou entrar nessa de ficar batendo em petista, deixa que eles mesmos se enforcam, mas hoje recebi um whats app (viral) que me deixou muito reflexivo sobre as práticas petistas e a respeito de ex companheiros. Me veio muitas informações muitas lembranças sobre as práticas e sobre como era apaixonante viver uma utopia. Utopia que o PT destruiu no subconsciente de muita gente, de muitos militantes, de pessoas que davam sua vida por um ideal. 

Hoje vemos uma situação governista raivosa, rancorosa e cheia de ressentimentos de quando faziam uma história lúdica e construtiva do país que poderia chegar ao desenvolvimento quando os companheiros chegassem ao poder e pudessem realizar seus projetos.

Tiveram sua chance. Deram sua contribuição. Já escrevi aqui, Lula errou feio ao escolher sua sucessora. Arrogância e força não é e nunca foi suficiente para ganhar uma eleição muito acirrada. É preciso muito mais que isso. A sensibilidade e inteligência agregadora de Lula, talvez.

O Partido dos Trabalhadores terá que gastar mais e motivar mais seus militantes para garantir a senhora Dilma na presidência.

Até acho que Dilma pode ganhar, entretanto, para o bem do Brasil é preciso que Marina ganhe.

Teremos um caos, uma insatisfação generalizada, teremos sim uma oposição muito mais competente e representativa que será capaz de transformar o segundo governo Dilma num inferno.

O despreparo e superficialidades da candidata do PSB, não intimida o eleitorado que deseja mudanças. Afinal o discurso denso e profundo, cheio de conhecimento da Dilma não afasta o ceticismo e a desilusão com o "time do bem".

Acredite amigo ainda muita coisa vai acontecer nesses vinte e poucos dias de eleição. E se mais um cadáver aparecer não se espantem. Sim o primeiro foi Eduardo Campos.

A implantação do medo parece ser unilateral, mas não é. Onde se implanta o medo se poda a esperança. E é isso que o PT está tentando fazer com a metralhadora giratória que tem usado nos últimos dias.

Até o próximo post

Compartilhe 
  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as