Pular para o conteúdo principal

Internet, a mais nova aliada eleitoral

Com cerca de 58 milhões de brasileiros com acesso à internet, candidatos terão novas oportunidades de interagir com os eleitores por meio de sites, redes sociais e outras ferramentas

Usada por cerca de 50% da população brasileira, a internet tornou-se uma peça fundamental nas campanhas eleitorais. Um exemplo do sucesso desse tipo de campanha foram as eleições presidenciais dos Estados Unidos, que elegeram Barack Obama com o slogan “Yes, we can”. No Brasil, o cenário não deve ser diferente, já que os candidatos estão se mobilizando para angariar seguidores em suas redes sociais.


Para o cientista político Antônio Testa, os avanços tecnológicos podem ser poderosas armas de marketing. “O candidato terá que segmentar bem seu público e se relacionar com ele utilizando o potencial das redes sociais e as demais ferramentas da internet”, afirma.

Por outro lado, o cientista político acredita que essa aproximação deve ser feita de forma cautelosa, já que os eleitores estão acostumados com o contato direto entre os candidatos e o povo, corpo a corpo. “O eleitor ainda está acostumado ao contato pessoal. Isso não ocorre na internet. O ideal é compatibilizar ações pela internet e o modelo tradicional de campanha”, destaca.

A presidente Dilma Rousseff, por exemplo, manteve seu perfil no Twitter inativo por cerca de três anos, até que, em setembro do ano passado, reativou a conta e tem aparecido com posts diários. De acordo com Testa, os candidatos já se deram conta da importância da participação política na web. “Alguns candidatos estão indo bem. Outros, ainda não despertaram para o potencial da rede, que terá papel decisivo na divulgação dos candidatos e suas propostas. Na minha opinião, a ferramenta é bastante favorável, afinal, a internet é algo fantástico e pode beneficiar a todos”, explica.

Segundo dados do Nielsen Ibope, de dezembro de 2013, atualmente há mais de 58 milhões de brasileiros com acesso à internet. Deste total, 45 milhões estão conectados às redes sociais. 

Candidatos ao Buriti
Na coligação Respeito por Brasília, em que Agnelo Queiroz (PT) concorre à reeleição, o trabalho pelas redes sociais tem sido bem intenso. De acordo com eles, existe uma coordenação de comunicação digital com equipe de redes sociais.

O site entrou no ar no fim desta semana e ainda trabalha com perfis no Facebook e no Twitter. “Investir nesse tipo de campanha é respeitar um público que decidiu se formar e informar por um outro veículo de comunicação, que é mais democrático e horizontal na maneira do diálogo”, afirmou Agnelo Queiroz por meio de sua assessoria de campanha.

“Para termos noção do volume de acesso proporcionado pelos cidadãos do DF, em 30 dias de funcionamento o programa de internet pública do DF, Sinal Livre, atingiu a marca de 50 mil acessos e 23 mil usuários cadastrados. Em 2013, a Secretaria do Idoso ofereceu um curso e formou centenas de pessoas”.

De acordo com Rodrigo Rollemberg (PSD), também candidato ao Buriti, ele faz um trabalho de interação pelas redes sociais muito forte e usa a hashtag #AtitudeparaMudar. “Temos sites, Instagran, Facebook, Twitter, todas essas ferramentas são muito importantes e temos que nos adequar a elas”, conta. Rollemberg tem site, onde mostra suas propostas. O mesmo acontece com José Roberto Arruda (PR), que lançou o site nessa semana, em que mostra as obras que fez no DF enquanto governou.

Regras diferentes para o Twitter
Em setembro de 2013, o TSE decidiu que manifestações políticas feitas por meio do Twitter não são propaganda eleitoral antecipada. De acordo com o ministro Dias Toffoli, as mensagens podem ser consideradas conversas restritas entre usuários. “Não há como falar em propaganda eleitoral realizada por meio de Twitter, uma vez que essa rede social não leva ao conhecimento geral e indeterminado as manifestações nela divulgadas”, afirmou Toffoli.

Seguindo a mesma linha, os ministros Castro Meira, Luciana Lóssio, Admar Gonzaga e Cármen Lúcia concordaram com a posição de Toffoli. Para Luciana Lóssio, no caso do Twitter, só recebe mensagens “quem vai atrás da informação”, o que é totalmente diferente de um outdoor colocado no meio de uma grande avenida ou de uma rua. “Você passa e é obrigado a ver aquela propaganda”.

Legislação
A campanha política na internet é regulamentada pela Lei nº 9.504/1997. Segundo a norma, no ano de eleição é permitida a propaganda eleitoral na internet a partir de 5 de julho, com algumas restrições como: ser veiculada em sites pagos, como de notícias, de festas, de fotos, ou qualquer site considerado comercial. Ou seja, são permitidas apenas as propagandas veiculadas em sites do candidato, com endereço eletrônico comunicado à Justiça Eleitoral e hospedado, direta ou indiretamente, em provedor do serviço de internet estabelecido no país.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Marco Aurélio Mello, alertou que os pré-candidatos devem ser cautelosos para que seu engajamento virtual não ganhe contornos de campanha antecipada, que pode ser punida com multa de R$ 5 mil a R$ 30 mil.

Rejane Evaristo 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as