Pular para o conteúdo principal

No vazio que os jogos deixam

Quando entramos nos intervalos entre fases dos jogos da Copa do Mundo podemos vivenciar alguns aperitivos de que a vida continua sem dó continua, contínua. E paro para refletir e fazer um storm na minha mente sobre tudo e sobre todos.
Infelizmente a violência no Brasil e no mundo não cessou e parece que a intensidade dos jogos de futebol nos fazem viajar diante de um mundo que não existe. O mundo da ilusão. Por piruetas e manipulação dos meios de comunicação o futebol toma conta do país do futebol, do país das Copas das Copas. Tudo parece sem sentido e disforme diante de tanta alegria e envolvimento com a família do Scolari. Família, que família? 
Alguns poucos lúcidos ainda debatem e colocam na pauta fatos e debates sobre o que realmente interessa.Cito: eleições, inflação, descaso e hipocrisia de segmentos interessados no pior que política pode oferecer. Tráfico de influência e poder subversivo da pureza. Corrupção do caráter e das instituições ditas como sérias.
Amo o futebol e outro esporte qualquer, mas fazer do evento uma "lupa invertida" é mesmo que ser cúmplice da inoperância legislativa e omissão policial diante de tantas suspeitas, no mínimo,  com as obras sobrevalorizadas e superfaturadas da copa.
Vamos comemorar sim, vamos fazer um gol de placa em outubro próximo quando iremos pesquisar e saber quem está investindo alto nas surpresas eleitorais.Vamos votar em companheiros que não aceitam as políticas públicas que reinventam nossas famílias, que destroem nossa sociedade construída com tanto suor e sangue em nome de uma modernidade e da diversidade empurrada goela abaixo, assim não dá. Vamos comemorar com a democracia pois a Copa está acontecendo e estará na história de um país que precisa de auto afirmação internacional.
As manifestações que eram realizadas "para inglês ver" foram minimizadas e ignoradas pelos apaixonados do futebol, mas principalmente pelos meios de comunicação, nenhum estardalhaço pode  desfocar o que a perfeição da FIFA encobriu e desmistificou nossa incapacidade na promoção de eventos. Agora só falta promover a verdadeira mudança. 
Mudar o Congresso Nacional é muito mais importante do que garantir o fim feliz da Copa, votar em pessoas menos corruptas é tão importante quanto não votar.
Só fico indignado com a hipocrisia com os oportunistas de plantão. Hora a Copa é o fim do mundo e chegam a alegar que não gostam de futebol, outra hora usam a Copa para reforçar seus caixas. Ora amigo, não se pode servir a dois senhores. Largar o oportunismo pode te fazer mais rica, mas nunca irá te fazer mais justa.
Há tantas pessoas indecisas que não sabe se é oposição ou situação, na verdade se definem como sendo nem branco nem preto, seria cinza? Como diz um amigo, que não descer do muro vai levar pedrada dos dois lados.
E a copa vai chegar ao fim. 


Comentários

Anônimo disse…
Verdade, uma coisa não apaga a outra. Vai-se a copa, continuam todos os problemas que já existiam antes. É a "Copa das copas", mas continua sendo apenas um evento, não vai mudar o país. A grande questão é mesmo descobrir quem são "os menos corruptos".

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

BRASIL É SEXTA ECONOMIA

  A Crise ajuda o Brasil EUA, China, Japão, Alemanha, França, Brasil essa é a nova ordem. Afirma o Centro de Pesquisa de Economia e Negócios do Reino Unido (CEBER, sigla em inglês). A China deverá crescer 7,6% e a Índia deverá crescer 6% o Brasil, segundo autoridades brasileiras deverá crescer em torno dos 3,5% se consolidando como a sexta economia mundial. O Reino Unido só não vai ficar mais desesperado porque a França indica um queda significativa para os próxmios anos. PIB de 2,5 trilhões de dólares A soma de todos os bens e serviços (Produto Interno Bruto-PIB) se mantem entre os maiores mundiais, o contraponto é justamente aquele que o Partido dos Trabalhadores sempre usou como principal bandeira, o social, que precisará de muita atenção da chefe do executivo. Com a decisão de elevar o salário mínimo para R$ 622,00 fará com que se  tenha uma acréscimo de 0,4 pontos percentuais no PIB de 2012. Fato muito importante para a manutenção da política econômica. A indústria