Pular para o conteúdo principal

No vazio que os jogos deixam

Quando entramos nos intervalos entre fases dos jogos da Copa do Mundo podemos vivenciar alguns aperitivos de que a vida continua sem dó continua, contínua. E paro para refletir e fazer um storm na minha mente sobre tudo e sobre todos.
Infelizmente a violência no Brasil e no mundo não cessou e parece que a intensidade dos jogos de futebol nos fazem viajar diante de um mundo que não existe. O mundo da ilusão. Por piruetas e manipulação dos meios de comunicação o futebol toma conta do país do futebol, do país das Copas das Copas. Tudo parece sem sentido e disforme diante de tanta alegria e envolvimento com a família do Scolari. Família, que família? 
Alguns poucos lúcidos ainda debatem e colocam na pauta fatos e debates sobre o que realmente interessa.Cito: eleições, inflação, descaso e hipocrisia de segmentos interessados no pior que política pode oferecer. Tráfico de influência e poder subversivo da pureza. Corrupção do caráter e das instituições ditas como sérias.
Amo o futebol e outro esporte qualquer, mas fazer do evento uma "lupa invertida" é mesmo que ser cúmplice da inoperância legislativa e omissão policial diante de tantas suspeitas, no mínimo,  com as obras sobrevalorizadas e superfaturadas da copa.
Vamos comemorar sim, vamos fazer um gol de placa em outubro próximo quando iremos pesquisar e saber quem está investindo alto nas surpresas eleitorais.Vamos votar em companheiros que não aceitam as políticas públicas que reinventam nossas famílias, que destroem nossa sociedade construída com tanto suor e sangue em nome de uma modernidade e da diversidade empurrada goela abaixo, assim não dá. Vamos comemorar com a democracia pois a Copa está acontecendo e estará na história de um país que precisa de auto afirmação internacional.
As manifestações que eram realizadas "para inglês ver" foram minimizadas e ignoradas pelos apaixonados do futebol, mas principalmente pelos meios de comunicação, nenhum estardalhaço pode  desfocar o que a perfeição da FIFA encobriu e desmistificou nossa incapacidade na promoção de eventos. Agora só falta promover a verdadeira mudança. 
Mudar o Congresso Nacional é muito mais importante do que garantir o fim feliz da Copa, votar em pessoas menos corruptas é tão importante quanto não votar.
Só fico indignado com a hipocrisia com os oportunistas de plantão. Hora a Copa é o fim do mundo e chegam a alegar que não gostam de futebol, outra hora usam a Copa para reforçar seus caixas. Ora amigo, não se pode servir a dois senhores. Largar o oportunismo pode te fazer mais rica, mas nunca irá te fazer mais justa.
Há tantas pessoas indecisas que não sabe se é oposição ou situação, na verdade se definem como sendo nem branco nem preto, seria cinza? Como diz um amigo, que não descer do muro vai levar pedrada dos dois lados.
E a copa vai chegar ao fim. 


Comentários

Anônimo disse…
Verdade, uma coisa não apaga a outra. Vai-se a copa, continuam todos os problemas que já existiam antes. É a "Copa das copas", mas continua sendo apenas um evento, não vai mudar o país. A grande questão é mesmo descobrir quem são "os menos corruptos".

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

Coluna: Noticias do Planalto Central

Recesso Depois de duas semanas de folga a coluna Notícias do Planalto Central volta no mesmo ritmo da Câmara Legislativa: com muita leitura e atento aos movimentos dos deputados. Assim como muitos deles sedento por informações, já que estão com a boca fechada e não abrem por nada. Nesta fase de negociações os segredos devem ser preservados.  Busca por um partido Nesta toada de observações muitos distritais estão desesperados por um "lugar ao sol". Explico: Muitos dos que hoje são deputados não o serão no próximo verão. Mas não é só por causa das novas regras, a tal clausula de barreira e sim porque muitos dos excelentíssimos deixaram a desejar e são muitos ruins mesmo.  Mulheres Este colunista discorreu a relevância das mulheres nas próximas eleições e destaquei aquelas que irão concorrer à uma vaga de deputada federal. Leia lá .  O jogo muda completamente quando falamos das mulheres na Câmara Legislativa do DF. As distritais que hoje ocupam duas cadeiras poderão ficar ainda