Pular para o conteúdo principal

Impasse no caso dos 12 loucos

Apesar de repudiar profundamente o ocorrido com o adolescente no estádio de futebol no interior da Bolívia, é inegável que ali há muitas irregularidades por parte da polícia e justiça boliviana. É de se lamentar que pessoas mau intencionadas frequente lugares tão democráticos como um estádio. Desejo do fundo do coração justiça. 

Mas o que tudo indica é que não há como provar que aqueles "bando de loucos", praticaram alguma loucura. É o que se poderia imaginar se não houvesse um cadáver. Mas um crime não justifica outro e as arbitrariedades ocorridas nas investigações já tomaram uma proporção que os leigos já não aguentam mais. Meu caso. 

Inconcebível a morosidade, a resiliência e o excesso de diplomacia de nossas autoridades para resolver o caso. É claro que não vai ser tão simples se o caso continuar tomando o rumo em que envereda. O político, da chantagem, do interesse particular, troca de favores e da inconveniência diplomática. Ora amigo, tantos problemas de ordem social e econômica ainda temos que cuidar de um "bando de loucos" que saem do seu país para nos envergonhar e levar o nome do país ao calabouço do subdesenvolvimento comportamental e leva saia justas a  nossas autoridades.

De qualquer forma a dignidade humana deve prevalecer. O que desejo, profundamente é que esses loucos não cheguem no Brasil e se tornem celebridades dignas de um BBB14. Porque afinal no Brasil quase tudo é possível, inclusive nada acontecer.
Mas de pronto espero que as consciências desses doze homens estejam convencidas de que o esporte do qual eles fizeram questão de manchar a imagem não sejam mais instrumentos de suas diversões semanais.

Espero que os fatos pelos quais o 12 brasileiros passam sejam gravados em suas memórias para o resto de suas vidas como algo que ensinou-lhes os limites existentes em qualquer sociedade. Claro, amigo leitor, que lá deve existir sim um culpado, mas não se pode generalizar, sem também, especificar.Não há culpado sem que haja prova. Mas também não defunto se não há sinalizador nem um mão  que o lance.

Quanto às nossas autoridades, penso que estejam agindo de forma correta, para eles o governo, pois é do interesse deles tamanha morosidade. Mas a mídia é que não pressionou conforme o desejo dos familiares dos presos. E a comoção nacional não foi inflamada como muitos cúmplices dos "loucos" queriam, porque como disse, há um cadáver, e de  criança.
No fim fica tudo certo. Só o garoto que se foi.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as