Pular para o conteúdo principal

RH - Transformando a crise em oportunidade

Basta ler os jornais, revistas ou assistir aos noticiários da TV para saber que as coisas não andam muito bem em nosso país. As vendas caem, o desemprego sobe, a renda média dos assalariados cai, a gasolina e o gás de cozinha não abaixam, os preços sobem muito (qualquer um que faça compras no supermercado ou na feira sabe que falar em inflação de 1 ou 1,5% ao mês é figura de ficção, pois os preços se elevaram muito mais que 30% ou até 50% em curto espaço de tempo).

Por outro lado, temos um país com maravilhosas perspectivas: a agricultura e a exportação vão muito bem, temos um parque industrial atualizado, o grau de informatização de nosso país é crescente, nossa imagem no mundo gerou credibilidade, os indicadores sociais, apesar de tímidos, apresentam melhoras.

Quando se fala que a economia crescerá 1,5%, significa que num total, por exemplo, de R$ 900 bilhões teremos um aumento de R$ 13,5 bilhões. Não quero minimizar o impacto de encolhimento do PIB, mas se encolhermos 1,5% recuaremos R$ 13,5 bilhões. Mas a economia continua a movimentar R$ 886,5 bilhões... A vida continua: isto significa que as pessoas e as empresas têm suas atividades, o que representa consumo e investimento.

Creio que a grande questão que as empresas vivem hoje é como sobreviver e se desenvolver neste período de “vacas magras”, apostando no futuro e construindo tempos melhores.

A grande saída é dar um foco correto no negócio, gerando perspectivas compartilhadas com as equipes, numa visão do futuro possível, com pessoas que saibam aproveitar oportunidades e tenham motivação e perseverança para continuar firme em suas atuações. É claro que isto não substitui investimentos em novas máquinas e equipamentos, em ampliação da capacidade produtiva, mas isto é muito mais fácil de conseguir do que ter gente competente e motivada.

Investir no capital humano nas empresas é algo que não só traz retornos imediatos, como extremamente elevados. As melhores empresas para se trabalhar, segundo o critério da Revista Exame, apresentaram resultados de negócio (% de retorno sobre o patrimônio líquido) quatro vezes maiores que as outras empresas. Investir em gente, na dimensão humana é imprescindível para a continuidade, o sucesso e o desenvolvimento das empresas. Para tanto é importante buscar ações que tenham uma alta relação benefícios/ custos. Simplesmente cortar custos implica em ter benefícios zero!!!

Uma “agenda mínima” para a dimensão humana das empresas, a ser ajustada considerando as peculiaridades de cada negócio, é:

Ação: Definir uma visão de futuro da empresa: clara, entendida e compartilhada

Como implantar:

- Team Building para a definição.

- Reuniões da alta direção com todo o pessoal para difundir.

O que se ganha? Pessoal participante, conectado e orgulhoso dos propósitos da empresa.

Ação: Definir uma visão de futuro e metas da área de trabalho (departamento, unidade de negócios): clara, entendida e compartilhada.

Como implantar:

- Team Building para a definição.

- Reuniões dos líderes com todo o pessoal para difundir.

O que se ganha? Pessoal participante, conectado e orgulhoso dos propósitos de suas áreas de trabalho.

Ação: Treinamento de vendas, atendimento, foco nos clientes.

Como implantar: Workshops e palestras: técnicas e motivacionais.

O que se ganha? Pessoal capacitado e motivado.

Ação: Desenvolvimento de habilidades de gestão de pessoas e equipes: liderança, equipe, comunicações, reuniões.

Como implantar:

- Workshops e palestras que sejam técnicas e motivacionais.

- Apoio pós-workshop (counseling).

O que se ganha? Pessoal gerencial capacitado e motivado para agir nas dimensões humanas: saber mobilizar esforços, dar direção, treinar, reconhecer desempenhos.

Ação: Estímulo à inovação e criatividade.

Como implantar: Workshops e estímulos concretos.

O que se ganha? Novas idéias emergindo, valorizadas e implantadas.

Ação: Programa de Qualidade de Vida no Trabalho.

Como implantar: Ações localizadas que atenuem efeitos e causas.

O que se ganha? Redução do stress e aumento da motivação.

Esta agenda mínima deve ser apoiada por sistemas que assegurem a sua continuidade. Para tanto devem ser consideradas:

● Gestão de Competências.

● Gerenciamento por Resultados.

● Avaliação de Desempenho.

● Mapeamento 360º.

● Estrutura, diretrizes, práticas de Gestão de Pessoas e Equipes (RH).

Responda com clareza: o que sobra no seu negócio se for excluído o elemento humano? Provavelmente quase nada, será a resposta. Assim sendo, cuidar bem do pessoal gera resultados que virão muito rapidamente



Contribuição de Paulo Roberto da RH Portal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.