Pular para o conteúdo principal

Partido faz aniversário e atinge 50% da meta

Ontem o Partido dos Trabalhadores comemorou aniversário de fundação e festejou mais ainda, os dez anos no poder da nação que mais alegra nossas futuras gerações.

Me lembro claramente que o ex-chefe da casa civil o cassado e condenado pelo mensalão dizia assumir um projeto de poder de no mínimo de 20 anos, ou seja, só falta dez anos.

Me lembro, também, quando entrei no PT no ano de 1984, e fundei a juventude na minha cidade natal, aqui em Brasília e enxergávamos uma esperança. Uma sociedade, justa, igualitária, com distribuição de renda, sem ditadura, com liberdade e com uma economia próspera, com reforma agrária e distribuição renda.

O Partido não passou de um partido, não cresceu mais que a nação, não evoluiu nas práticas de perseguição e ética nem cresceu no conteúdo socialista a que se propôs quando da fundação. Defende interesse particulares em detrimento da sociedade. Defende prioritariamente estar no poder, para não perder o que conquistou, ou seja, cargos executivos e relacionamentos promíscuos . Não reconhece méritos no adversário massacrando qualquer possibilidade de construção de debate ou oposição.

Falando na oposição, é ainda mais medíocre do que a cinco anos atrás , incompetentes e incapazes de realizar uma proposta que convença seus aliados internos e possíveis parceiros táticos (veja o discurso do Senador Aécio Neves, muito fraco e frustrante como oposição). 

Infelizes há mais de dez anos, desde que FHC deixou o poder, já tentaram de tudo sem sucesso (inclusive com ajuda do próprio PT no caso do mensalão), só não tentaram sistematizar uma aliança global que abarcasse o PMDB, fracassaram. E sem esses últimos é impossível tomar o projeto de poder da estrela vermelha.

Não se difere em nada dos muitos outros que estiveram no poder. Só faz o básico para a população. O crescimento da nação e o seu desenvolvimento ficou evidente e se tornou inevitável depois das soluções tomadas na década de 90 pelo dois governos anteriores ao do Lula.

Triste ver que os partidários de Lula perseguiram a blogueira cubana, que não se lembram que já estiveram do outro lado, no mesmo patamar em que a escritora hoje sofre.
Costumo afirmar que pior que uma ditadura de direita é uma ditadura de esquerda que persegue e mata!

Não posso ser leviano e não valorizar o formato com que os dois primeiros anos do governo do PT que sedimentou no poder e melhorou os Programas Populares, como o Minha Casa Minha Vida e  Bolsa Família etc, mas isso não os isenta de populismo e negligência e ingerência em muitos outras administrações locais.

Amigo acredite, nós somos reféns de muitos seres humanos deformados em seu caráter e obcecados pela exploração do próximo. Defendo uma revolução nessa geração. Uma revolução pacífica, mas uma revolução na escolha de nossas autoridades.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.