Pular para o conteúdo principal

5º Post - A Escola Neoclássica Sueca



Knut Wicksell (1851-1926) foi o principal representante do ramo sueco do
Neoclassicismo, apresentando importantes contribuições à análise do valor e da
distribuição. Deu ênfase ao papel da moeda e do crédito na atividade econômica,
diferentemente de seus antecessores, muitos dos quais consideravam a moeda
um simples -véu" que cobria as trocas de bens. Mostrou que tais questões, até
então relegadas a plano secundário, aumentavam de importância e
complexidade à medida que se dependia cada vez mais dos bancos como
criadores de meios de pagamentos.
Seu interesse pela teoria do capital e do juro surgiu da crítica que
apresentou aos trabalhos de Böhm-Bawerk, Introduziu o conceito de estrutura
de capital, propiciando novo enfoque relativamente ao efeito da acumulação de
capital e à inovação sobre a Renda Nacional, bem como ao relacionamento entre
as quotas de participação.
Das contribuições de Wicksell, a mais importante talvez tenha sido seu
esforço pioneiro no sentido de integrar a análise monetária à análise real. Em
sua época supunha-se que as mudanças no nível de preços e no valor da
moeda refletiam somente as alterações na quantidade de moeda e em sua
velocidade; por outro lado, o nível da produção era considerado dependente da
oferta de recursos e do estado das técnicas que determinavam a eficiência de
seu uso e o pleno emprego. Wicksell rompeu com a tradição e defendeu o ponto
de vista de que os fenômenos monetários e os fenômenos reais se interrelacionam,
de modo que as mudanças no nível geral dos preços não ocorrem
diretamente, mas sim indiretamente, como resultado das alterações da taxa de
juros. Coube a Keynes realizar, mais tarde, a plena integração entre a análise
monetária e a análise real.
Apesar da ampla aceitação do Neoclassicismo e da grande extensão do
domínio de sua influência, principalmente durante os três primeiros decênios do
século XX, as principais idéias marginalistas foram também objeto de alguns
movimentos de oposição, como veremos mais adiante nos próximos post's.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000