Pular para o conteúdo principal

4º Post - A Escola de Cambridge e a teoria do equilbrio parcial




Alfred Marshall (1842-1924), professor de Economia Política da
Universidade de Cambridge, exerceu enorme influência sobre importantes
gerações de pensadores econômicos e deu posição de destaque à Escola que
recebeu o nome de sua Universidade.
Sua obra - Principles of economics (1ª edição em 1890) - constituiu,
segundo Keynes, o inicio da idade moderna da Ciência Econômica britânica.
Considerava a economia como o estudo -da humanidade nos negócios
comuns da vida-, ou seja, ciência do comportamento humano e não ciência da
riqueza. O fim das contribuições teóricas deve ser o esclarecimento de
problemas práticos - posição diametralmente oposta à de Walras.
Procurou tornar suas análises acessíveis ao grande público mediante
tini estilo simples e claro. Evitou as exposições matemáticas, diferentemente (te
seus contemporâneos neoclássicos.
A complexidade do sistema econômico e a diversidade de motivos do
comportamento humano levaram Marshall a criar técnicas para o estudo
sistemático da economia, por meio da redução do número de variáveis a
proporções manejáveis e da criação de um método de mensuração do
comportamento. Utilizou o método dedutivo ou abstrato para separar uma
variável ou setor da economia de cada vez, com base no pressuposto de que
seu comportamento não exerce influência apreciável sobre a atividade
econômica, restante (ou princípio da desprezibilidade dos efeitos indiretos). O
que não significa que a parte da economia que não está sendo analisada
permaneça inalterada, mas que, se o pequeno setor considerado sofrer os
efeitos de uma mudança externa, ajustar-se-á produzindo apenas um efeito
desprezível sobre o resto da economia.
A dificuldade de medir as motivações humanas, que desafia a
investigação científica porque nem todas as motivações são mensuráveis,
levou Marshall a observar que grande parte da vida do homem é orientada para
a obtenção de ganho econômico, de modo que as motivações podem ser
medidas por intermédio de um denominador comum: a moeda. Notou, porém,
que a aplicação deste denominador a indivíduos provavelmente não seja válida,
recomendando sua aplicação ao grande grupo ou organismo social, porque
este envolve um número suficientemente grande de indivíduos, que nivelam as
diferenças da renda. Assim, o estudo dos preços (de bens e de fatores) passou
a constituir a principal área de investigação de Marshall, com o objetivo de
descobrir as regularidades da atividade econômica.
Tornou-se famoso seu exemplo de uso da metodologia dedutiva ou
abstrata para investigar a interação das forças da oferta e da procura e para
explicar o aparecimento do preço do equilíbrio (Livro V de seus Principles).


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as