Pular para o conteúdo principal

CRISE VELADA

Ontem estava na minha reunião com meus principais mentores e um deles me alertou sobre o que acontece em nossa economia. Então corri para o Google e comecei a trabalhar neste post. Terei muitos dados para apresentar-lhes muito elementos para basear a palavra "velada" e a palavra "crise", todavia clamo ao leitor a ficar atento para os noticiários especializados. No fundo essa postagem é justamente para criar em você, leitor uma reflexão sobre as reais condições do mercado interno, neste momento de 2012. Nenhuma das últimas estimativas tem sido otimistas ou sequer contemplam os números dos últimos meses, pelo contrário todas estão sendo moduladas para baixo, isso mesmo, para baixo.
  • Hoje, pela grande mídia, observei a seguinte manchete: Balança Comercial recua 17% em relação ao mesmo  período de 2011;
  • Déficit da previdência sobe 19,3%;
  • As estimativas para inflação também é elevada, pelo mercado, para 5,36%;
  • E muitas outras com queda, pequena, na Balança Comercial e mais uma batalha na OMC (Organização Mundial do Comércio).
Passado alguns meses do aprofundamento da crise na Europa, que foi  inicio de tudo, parecia um pequeno resfriado, para nós brasileiros, está se tornando um problema grave e sendo medicado com doses generosas e de eficácia duvidosa, diga-se de passagem, midiáticas e onerosas como: renúncia fiscal , seja no setor elétrico, seja no automobilístico. Este último já perdendo folego no mês de setembro e tendo que rever metas e novos incentivos para o setor. Isto sem falar nas consequências dessas iniciativas.
O que se tem de fato, é um governo agindo de forma a remediar os ocorridos sem parecer ter iniciativas profiláticas. Não creio nisso!

Mas desejo que todos prestem muita atenção nas declarações e "ofensivas" das autoridades! Acredite! Quem tem um negócio está sentindo de forma dura a conjuntura econômica. Preste atenção.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000