Pular para o conteúdo principal

EM DEFESA DOS QUE GOSTAM DE ESCREVER

Estou lendo em alguns blogs e sites que alguns jornalistas e algumas entidades de classe  estão se rasgando de tanto ódio e amargura com a decisão do STF de cancelar a necessidade de diploma para se exercer o jornalismo.
Caros, isso é uma tremenda bobagem. Bem verdade que é preciso ter compromisso e responsabilidade, mas daí chegar no histerismo é absurdo. O diploma diante de tanta vaidade acaba sendo um detalhe "importante" para quem? Para quem não tem competência e se esconde atrás do título e principalmente para aqueles jornalistas que se passam por: economistas, administradores, políticos e tomam um papel social,muito maior do que realmente deviam tomar.
Óbvio que não estou me referindo sobre a emissão de opinião, onde no Brasil, democrático, qualquer um pode e deve emitir opinião. Se conseguir "colocar no papel" melhor ainda. Neste caso ainda melhor que não seja "expert" de academia, mestre em manobrar as palavras. 
Segundo STF qualquer um pode exercer a função de jornalista, inclusive o ex presidente e ex metalúrgico,qual o problema nisso? Desde que se prepare para isso qual o problema? Não precisa de diploma.
A qualificação mínima pode se adquirir concluindo qualquer curso. Já li inúmeros textos de  engenheiros sobre construção ou cálculo, e sinceramente, os textos são   melhores que muitos textos de jornalistas o "cara" conhece do que está escrevendo ele tem o diploma adequado para escrever sobre aquele tema. Absurdo é ver jornalista escrevendo sobre economia ou administração sem se quer ter ouvido falar em oferta e demanda.
Penso que quem ganha é a nação. E não falo por causa própria, pois brinco aqui, de escrever , nunca como profissional e sempre achei uma classe (jornalistas) cheia de arrogância se achando em muitos casos dono ou donas da verdade absoluta. Talvez isso diminua o corporativismo e a chantagem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

BRASIL É SEXTA ECONOMIA

  A Crise ajuda o Brasil EUA, China, Japão, Alemanha, França, Brasil essa é a nova ordem. Afirma o Centro de Pesquisa de Economia e Negócios do Reino Unido (CEBER, sigla em inglês). A China deverá crescer 7,6% e a Índia deverá crescer 6% o Brasil, segundo autoridades brasileiras deverá crescer em torno dos 3,5% se consolidando como a sexta economia mundial. O Reino Unido só não vai ficar mais desesperado porque a França indica um queda significativa para os próxmios anos. PIB de 2,5 trilhões de dólares A soma de todos os bens e serviços (Produto Interno Bruto-PIB) se mantem entre os maiores mundiais, o contraponto é justamente aquele que o Partido dos Trabalhadores sempre usou como principal bandeira, o social, que precisará de muita atenção da chefe do executivo. Com a decisão de elevar o salário mínimo para R$ 622,00 fará com que se  tenha uma acréscimo de 0,4 pontos percentuais no PIB de 2012. Fato muito importante para a manutenção da política econômica. A indústria