Pular para o conteúdo principal

CARTÕES DE CRÉDITOS E A GUERRA DECRETADA PELA PRESIDENTA DILMA

No dia 06 de setembro a presidenta Dilma, externou sua indignação com as administradoras de cartão de crédito por causa dos juros cobrados e pelo descaso aos esforços feitos pela administração pública na redução dos custos.
Em rede nacional de televisão a presidenta se mostrou irritada e disse que não descansaria enquanto não visse as taxas de juros baixarem a "níveis civilizados", convocou sua "tropa de choque": Alexandre Tombini ladeado pelo ministro Guido Mantega e os principais organismos estatais para tentar baixar aqueles que são os maiores vilões do crédito na atualidade.
O Governo tem monitorado a movimentação dos Bancos e administradoras para dar os próximos passos rumo a "pegar pesado" com essas entidades que não visam somente o lucro, mas o "sobrelucro". Absurdo.
Com encargos de 10,7% ao mês, em média, essa modalidade de crédito não tem sido alterada no último ano, por motivo sabe lá qual. 
Esses juros absurdos e exorbitantes levam a uma situação de inadimplência que as próprias administradoras reclamam muito, avaliem melhor, deixem de lucrar absurdamente e passem a receber mais.
A última iniciativa dos cartões de crédito é que vão tentar acabar com o parcelamento de compras através do cartão de crédito, outro absurdo, então pra que serve o cartão, se não oferecer praticidade ao usuário, deste, que se tornou a moeda corrente mais usada nos últimos tempos. E com crescente níveis de utilização.
Tá certo presidenta, não se renda a chantagens e coloque o Conselho de Direitos de Defesa do Consumidor para fazer o seu papel. Fiscalizar e fazer cumprir a lei.
Amigo, essa batalha é difícil, mas, acredite, necessária! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000