Pular para o conteúdo principal

HÁ ESPAÇO PARA A INDÚSTRIA NO DF




A História mostra que até dá para mudar

Temos em Brasília, como maiores formadores de opinião, os funcionários, servidores e empregados públicos, esses são responsáveis pela maior parte do consumo e pelo desenvolvimento do Distrito Federal. Essa é a cultura da capital federal. Os comerciários são a segunda maior categoria desde a fundação planejada do planalto central.
Sempre houve uma parcela da população que questionou o papel da capital na construção do produto interno bruto. O que temos, hoje, são autoridades criando condições para se implementar nesta região uma capacidade produtiva que "nunca na história desse país" houve. Uma indústria enraízada e produtiva, com tecnologia já implementada em outras regiões do país. Ouvia-se falar no "cinturão verde"onde os hortifruti se destacavam tiveram seu papel. Passaram-se os anos e o perfil do brasiliense mudou, assim como, o consumo e capacidade de financiamento e o exigente mercado candango se sofisticou e cresceu, graças à renda per capita local.

O Futuro é incerto com essas inciativas

Pelo menos as promessas são animadoras. Os responsáveis por estimular o desenvolvimento econômico do Distrito Federal têm na ponta da língua o que fazer para aproveitar o potencial da indústria na próxima década. Entre as diretrizes, algumas em elaboração e outras somente no campo das ideias, há programas de incentivo, planos de atração de empresas e consolidação de áreas destinadas à consolidação do parque fabril.
O governo pretende anunciar, ainda este ano, a chegada ao território candango de mais uma indústria farmacêutica. A empresa, cujo nome é mantido em sigilo para não atrapalhar as negociações, pertence a um dos maiores grupos nacionais do ramo. A implantação está prevista para o Polo JK, em Santa Maria. Até o fim de 2014, outras quatro fábricas de grande porte — dos segmentos alimentício e de tecnologia da informação — devem confirmar instalação na capital do país.

A realidade é dura, houve alguns governos atrás que tentaram criar uma "Cidade Digital" e fracassaram. Houve outro senador que disse levar a banda larga para todos sem distinção. Fracassou, pelo menos até o momento. Desejamos que não fiquesó na vontade. Afinal mudar a cultura e a vocação da cidade muitos querem, mas poucos conseguiram tirar o norte da mais linda cidade do mundo. Doar lotes, não parece ser a mais inteligente estratégia. Mas, para começar, pode té ser. Já vimos que alguns incetivos ajudam, mas não sedimentam. Vamos aguardar e ajudar no que for necessário. Afinal somos cidadão muito ativos. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

BRASIL É SEXTA ECONOMIA

  A Crise ajuda o Brasil EUA, China, Japão, Alemanha, França, Brasil essa é a nova ordem. Afirma o Centro de Pesquisa de Economia e Negócios do Reino Unido (CEBER, sigla em inglês). A China deverá crescer 7,6% e a Índia deverá crescer 6% o Brasil, segundo autoridades brasileiras deverá crescer em torno dos 3,5% se consolidando como a sexta economia mundial. O Reino Unido só não vai ficar mais desesperado porque a França indica um queda significativa para os próxmios anos. PIB de 2,5 trilhões de dólares A soma de todos os bens e serviços (Produto Interno Bruto-PIB) se mantem entre os maiores mundiais, o contraponto é justamente aquele que o Partido dos Trabalhadores sempre usou como principal bandeira, o social, que precisará de muita atenção da chefe do executivo. Com a decisão de elevar o salário mínimo para R$ 622,00 fará com que se  tenha uma acréscimo de 0,4 pontos percentuais no PIB de 2012. Fato muito importante para a manutenção da política econômica. A indústria