Pular para o conteúdo principal

A CULTURA DA CASA PRÓPRIA

Nos primórdios
Quando criado em 1964 o BNH, Banco Nacional da Habitação era cheio de boas intenções, chegou inclusive a  financiar 25% das habitações, até 1986, existentes no país. Outras eram as atividades de financiamento do BNH, como por exemplo: saneamento, pavimentação, saneamento e estradas.
 Lembrado como um Banco fracassado. Tinha como grande meta o incentivo à economia, pois havia uma grande crise no mercado interno era real, com as mudanças políticas de 1964. Para auxiliar o Banco no campo financeiro foi criado o Sistema Financeiro Habitacional que solidificou  a captação de recursos junto ao Fundo de Garantia por tempo de Serviço, sendo assim, criava-se de forma bastante envolvente uma cultura de que comprar a  casa própria que viria a  ser o maior objetivo da família brasileira por décadas.
Uma política voltada para a massa "sem teto" na era meta, nem era agrado de Getúlio Vargas,  existiu alguns poucos projetos que logo fracassaram Nessa época surgiu a lei do inquilinato que veio conturbar, ainda mais, esse processo de política habitacional.

PMCMV
O Programa Minha Casa Minha Vida foi fundado mais recentemente, março de 2009, gerido pelo Ministério da Cidades e operacionalizado pela Caixa Econômica Federal, tem como meta, hoje, o financiamento de mais de 800 mil unidades. Amigo, é muito pouco para uma população como a nossa. É preciso rever, pelas autoridades, a disponibilização dos recursos.
O brasileiro, não pode viver refém dos interesses mais escusos, do setor imobiliário. Um absurdo. Esse PMCV está na UTI, não há como acreditar num programa que financie somente obras com os parametros descritos: " Familias que possuem renda familiar até R$1600,00, não se pode estabelecer metas tão obscuras como essas que o Ministério tem proposto.

TEMA JÁ POSTADO
A especulação imobiliária está absurdamente engordada com recursos que seriam para financiar um setor da sociedade frágil e desassistido.
O que vejo hoje, são especialistas afirmando veementemente eu é mais vantajoso morar de aluguel a ter que se submeter ao abusos de um mercado selvagem e injusto, no mínimo, entretanto, dinheiro não falta, bilhões estão sendo disponibilizados.
Fica aqui o meu desabafo!
No site do IG tem uma tabela onde vc pode calcular se é melhor continuar pagando aluguel ou entrar no financiamento clique no link abaixo para calcular. Mas é sempre interessante saber que você estará comprando um imóvel que lhe pertencerá, mesmo depois de muito tempo, outra coisa. O imóvel que você financiar poderá, ou não, valorizar rapidamente, mas provável que sim, entretanto ter cautela não é necessariamente perda de tempo, nestes momentos. Acredite amigo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as