Pular para o conteúdo principal

BASE X SINDICATO


Hoje, como na maioria das vezes em que falamos sobre política sindical, fico frustrado com a quantidade de colegas que não tem a mínima noção do que seja consciência de classe. E o mais preocupante é que os diretores que são designados pela base, também são desprovidos, não só da consciência referida, mas são desprovidos de "malícia" política para gerir uma condição miníma de representatividade.
Quero ressaltar aos que leem esse texto que vocês vão identificar exatamente a quem estou me referindo, não quero dar nomes, pois já fui ameaçado várias vezes por esse sindicato de processo. No entanto, é preciso fazer essa reflexão com os colegas que sempre foram mais próximos.

Critica ao diretor coordenador
Esse nunca veio ao recinto daqueles que mais produzem na empresa onde trabalhamos, nunca veio até nós para simplesmente passar um "informe". Podemos até alegar que essa figura é desnecessária e dispensável ao sindicato, pois quando fomos a greve ele não teve a coragem de se posicionar a favor ou contra à continuidade do movimento paredista. Foi covarde e se colocou numa posição neutra, levando à categoria a perceber que a partir daquela demonstração de fraqueza não teríamos rumos nem liderança com a condição básica e disponibilidade para liderar. Falha, também, ao enviar email equivocado e depois se retrata através  de outro email, o que não me parece ser nada eficaz para uma categoria que necessita imediatamente de rumo de vínculo com a atual gestão.

Secretaria de Comunicação não funciona
Por mais ineficaz, que parecia ser, a diretoria do sindicato anterior a esta gestão foi mais presente neste quesito de comunicação. Sinceramente achava que pior não ia ficar, mas para nosso desespero ficou.
E não é só a questão de ser ter um meio eficiente de comunicação (jornal, email ou outro meio qualquer), estou me referindo a um RELACIONAMENTO diário e transparente com sua base, isto é, vivenciando as demandas verdadeiras, de forma a concretizar em ações reverberadas na mídia e em outros canais de comunicação.
Poderia, simplesmente, haver uma conversa ao pé do ouvido de cada empregado pedindo sugestões e opiniões, críticas e reclamações. E não  de forma unilateral, egocêntrica e excessivamente centralizadora, chegando, muitas vezes, à truculência por parte de quem passava informações. Ora a comunicação se resumiu a "PASSAR INFORMAÇÕES", quem sabe um mínimo de comunicação não pode se sentir privilegiado com o tratamento dispensado pela direção. Uma decepção, essa secretaria que é vital para estreitar os laços entre BASE E SINDICATO.

O Rodizio só prejudicou
Achando, os diretores, que iriam agilizar o processo e administração das relações sindicais, a atual diretoria resolveu, também de forma unilateral, fazer um RODIZIO na condução de "Diretores Liberados".
Ora, foi mais um equívoco. Para explicar melhor minhas alegações quero dizer que não é nada pessoal contra nenhum dos atuais dirigentes, pelo contrário, mas é notório a falta de experiência e tato com a máquina sindical. Não foi prioridade as necessidades e objetivos do coletivo. O que predominou foi necessidade e objetivos pessoais. Explico, novamente: Alguns diretores fizeram as contas e viram que o salário que o sindicato pagava era menor que o da empresa, e que portanto, teriam que voltar para seus postos e dane-se as necessidades coletivas e aqueles que neles votaram. O tempo de adaptação, conhecimento da máquina sindical e acomodação de um diretor leva alguns meses, e isto, prejudicou de forma decisiva para a inércia atual do sindicato. Não basta só ter ações na justiça.

Chapa Gadernal
Uma chapa com conexões frágeis, pessoas que já tinham estado à frente do sindicato. Pessoas com comportamento, no minimo duvidoso e que portanto não poderiam compor aquela que seria a chapa dos sonhos daqueles que conduziam a maior produtividade da empresa. O PI.
Erro crasso e estratégico para uma diretoria que poderia ficar mais de dois mandatos. Infelizmente esses não contribuíram com a quantidade de propostas a que se comprometeram a fazer.

Falta de proposições construtivas 
Essa é a maior e mais grave de toda inércia do sindicato. Primeiro avaliou erroneamente ao adotar a linha de atuação pelo segmento jurídico, pois esse é moroso e de resultados, na sua grande maioria, desfavoráveis à sua base. Segundo, menosprezou uma atuação política com reconhecimento de luta de classes. Outro erro fatal. Patrão é patrão, empregado é empregado, objetivos divergentes, portanto isso justificaria uma prioridade na adoção de um plano de ação com bandeiras convergentes às necessidades de toda à categoria.
Quando a direção do sindicato nega a legalidade de um novo PES (Plano de Emprego e Salários) ele, o sindicato, está dizendo que eu, como filiado, não terei como sugerir melhorias nesse PES, nem na próxima elaboração de ACORDO COLETIVO. Quero afirmar que isto não deve nem pode ser real, pois eu, enquanto sindicalizado, exijo que as condições impostas pelo novo PES sejam instrumentos de avaliações e colocada na pauta de todos os debates. Que a diretoria colegiada se esforce ainda mais e apresente outras alternativas para o empregado, sem simplesmente ficar atirando e ignorando uma nova realidade. Isto não invalida a reclamação do PES antigo. É preciso avançar de verdade. Construir de forma definitiva e qualitativa, um fórum permanente para discutir os temas mais importantes para os empregados, empresa e primordialmente a sociedade brasiliense.

Abaixo assinado cheira a golpe
Eu que vivi momentos de muita perseguição política e de tragédias no movimento sindical, fico ainda mais triste, quando vejo, que colegas querem tomar iniciativas oportunistas e golpistas para tomarem de assalto aquilo que foi construído de forma democrática e com total legitimidade no voto. Não suporto injustiça. O SINDICATO VEM FAZENDO UMA PÉSSIMA GESTÃO, MAS NÃO O SUFICIENTE PARA SER VÍTIMA DE UM GOLPE, mesmo que respaldado pelo estatuto, essa diretoria tem todo o direito de permanecer até o fim, mesmo que esse fim seja traumático para seus diretores.
Acredito na INSTITUIÇÃO SINDICAL, mas confesso que deixei de acreditar naqueles, que hoje, dirigem o órgão representativos do trabalhadores.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as