Pular para o conteúdo principal

Hospitais particulares iguais ao públicos


Planos de Saúde não dão conta do serviço


Não é possível pagar por preços tão caro e ter serviços tão deficientes. O governo precisa agir rapidamente e intervir de forma definitiva na fiscalização dos atendimentos desses planos de saúde que negligenciam a relação com o consumidor. E violentam a saúde do cidadão.

Os Planos Particulares de Saúde estão agonizando, para nós clientes que pagamos fortunas mensalmente e constatamos os mesmos males que atingem o serviço público de saúde. 

Hospitais superlotados, prontos socorros com um número de doentes que poderiam estar ser atendidos em ambulatório. O pior é a sobrecarga dos profissionais que não são da área médica, mas que precisam explicar e atender bem os que chegam com muitas reclamações.
O problema se agiganta porque uma leva cada vez maior de médicos vem se descredenciando, insatisfeitos com os baixos valores das consultas pagos pelas operadoras, de R$ 42 em média. 
Isto na prática significa marcar um consulta no ginecologista ou gastro para daqui 30 ou 45 dias. E se quisermos pagar particular podemos adiantar essas consultas para os próximos 15 ou 10 dias, mas aí devemos desembolsar uma quantia que varia de R$100 a R$250 podendo chegar até R$300 reais dependendo do profissional.
O número de beneficiários de convênios, incluindo os com cobertura odontológica, cresceu 46% em oito anos, pulando de 32 milhões para 46,6 milhões. Só aqueles com assistência médica somam 31,4 milhões. De 2009 para cá, mais de 6,1 milhões de pessoas passaram a ter um plano. No ano passado, toda essa clientela depositou no caixa das operadoras, em troca de um bom atendimento, R$ 74 bilhões. O valor é superior ao total de recursos federais destinados ao SUS neste ano.





fonte: Gustavo H. Braga e Ana D'Angelo








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.