Pular para o conteúdo principal

O mundo à beira de um colapso!




Uma crise anunciada

O mundo capitalista desenvolvido, indica que momentos atribulados virão. Não paramos de ter noticias ruins a respeito da saúde econômica dos países mais importantes do mundo. Resolvido a questão do prolongamento da dívida americana hoje as informações sobre as economias da Espanha e Itália não são nada animadoras. Isso sem citar a questão dos problemas enfrentados pelo restante do bloco europeu. Muitos são os receios dos mercados, vejamos:  Risco de um calote na Europa, a crise americana e o desaquecimento chinês,  levaram as bolsas de valores a semanas desastrosas.
Impossível saber o que vai acontecer daqui pra frente, mas existem alguns eventos que ditarão o rumo das economias e das bolsas.

  • A Grécia e o calote; Os resultados de ajuste fiscal que esse país vem obtendo são muito a quem daqueles proposto por seu credor, crescimento baixo e o governo não tem conseguido economizar em suas despesas. O Calote virá. É questão de tempo. A revisão do acordo com FMI será em setembro. Se não fizer o dever de casa, corre risco de não receber mais recursos e aí o calote se consolida.
  • Na Itália; O parlamento italiano aprovou às pressas um pacote de corte de gastos prevendo o pior, já que os juros dos títulos públicos foram elevadíssimos no último julho. A estimativa-se que a Itália necessita de 800 bilhões de euros para se financiar. Os italianos precisam se superar e fazer crescer o PIB significativamente.
  • O risco fiscal americano, parece ter sido resolvido, entretanto, a maior economia do mundo expôs para o resto da economia suas fragilidade e consequentemente o capital especulativo irá agir daqui prá frente.
  • O vermelho da China nem tão quente; Continua crescendo sim, mas os números indicam uma desaceleração. Para conter o consumo e posteriormente a inflação eles utilizam o mesmo método brasileiro o da alta de juros. A pergunta que não quer calar é: Qual será o impacto na economia mundial com a economia chinesa diminuindo o ritmo de crescimento?
  • No Brasil não parece que maré esta indo contra. Porque aqui se repete o que ocorre nos outros países, desaquecimento e preocupação com a inflação. Alta de juros por mais algumas reuniões do COPOM.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as