Pular para o conteúdo principal

Na guerra entre o Carrefour e Casino quem ganha é o consumidor




O consumidor popular se viu quase atônito com a briga do sr. Abílio Diniz com o seu sócio francês dono do Casino, Jean Charles. Eles afirmam que não abrem mão de suas posições, mas o que mais impressionou foi a declaração do sócio francês à Exame (Ed. 996) quando diz que "não comentaria Brasil do passado, O Brasil do futuro é aquele no qual acreditamos". O Brasil do passado seria aquele Abílio Diniz enfrentou no início dos anos 2000 e que teve um socorro generoso dos franceses em dois bilhões de dólares? Ou o Brasil do passado seria aquele de calotes e do jeitinho?
Quem subestimou quem? Ninguém investiria dois bilhões de dólares se não quisesse algo em troca, nem mesmo um falso silêncio. Entretanto, o que se poderia supor de um sócio com segundas intenções numa crise? Nada, mas depois que esse sócio sacudiu a poeira e deu a volta por cima, pode-se imaginar tudo, inclusive virar "adversário", sócio majoritário ou 'trapaceiro'. O empresário brasileiro ainda pode e vai recorrer a este artifício legal, para tentar não perder o controle do Pão de Açucar. Fazer a "garrafada" para conseguir alavancar alguns poucos bilhões parece impossível, mas tudo leva crer que essa guerra vá ser concluída nos tribunais. E o nosso "herói" Brasileiro se transforme em um empreendedor tupiniquim que tentou peitar um francês poderoso. Porém, ainda há a questão do contrato firmado, que respalda Jean Charles. Ele mesmo disse que acredita no Brasil em que respeita as leis e os contratos. Portanto quem viver verá. A questão do Banco (BNDES), que iria compor essa operação com dinheiro da nação para intervir numa situação de mercado muito arriscada, tanto política como financeira somente acertou a embocadura depois da visita do francês.Curioso para saber o que ele disse a Luciano Coutinho? Todos estamos.   
O Carrefour, por sua vez, assiste tudo de camarote enquanto resolve seus problemas internos e se apressa para não ter que explicar pela postura tomada até aqui ao sócio que vencer a guerra. Se for o francês terá que mudar muita coisa e gastar muito argumento. Se for o brasileiro também, então se correr ou ficar o bicho vai pegar. Nesta guerra, que vai estar no foco de curiosos, especialistas e candidatos a executivo, quem ganha no final é o consumidor com significativas, mas poucas opções.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000