Pular para o conteúdo principal

Compras Coletivas, cuidados ao comprar

Sites de Compras coletivas
Hoje em dia, os sites de compra coletiva estão na moda. Groupon, ClickOn e Peixe Urbano já são conhecidos de quase todo mundo. As ofertas são excelentes: é possível comprar praticamente tudo – de viagens a pratos em bons restaurantes – por muito menos dinheiro do que seria possível caso se pretendesse adquirir o mesmo produto ou serviço diretamente. Mas é preciso tomar cuidado para não ser enganado! Afinal, cuidar bem do dinheiro é um passo importante no processo de educação financeira!

Essa semana, o Portal Exame publicou uma matéria excelente sobre o assunto, apontando certos cuidados que os consumidores devem tomar para evitar serem enganados acreditando que estão fazendo um bom negócio! A matéria aponta 8 “pegadinhas” que as empresas de compra coletiva aprontam com os seus clientes. São, basicamente, as seguintes:

1 – Dificuldade em converter cupons de compra coletiva em serviços


É importante tomar cuidado com os cupons adquiridos, principalmente os oriundos de empresas menores, porque muitas simplesmente apresentam muitas dificuldades na conversão dos cupons. Há casos de empresas que fecharam o serviço após a venda dos cupons, ou que jamais entregaram o produto adquirido.

2 – Dificuldade em conseguir pegar o dinheiro de volta

Embora o Código de Defesa do Consumidor assegure o direito ao arrependimento pela compra em 7 dias, boa parte das empresas que vendem por meio de sites de compra coletiva não cumprem a legislação, na prática (a rigor, a verdade é que quase ninguém cumpre!).

3 – Regras complicadas para converter o cupom de compra coletiva


Muitas empresas criam regras que apenas dificultam a conversão dos cupons. Há estabelecimentos que impõem um prazo para a conversão do cupom em produtos/serviços, e outros que agendam datas específicas para usufruir os direitos garantidos pelos cupons. Portanto, leia bem as regras da promoção, para evitar problemas! E não se esqueça de que a empresa deve prestar o serviço com base nas condições da promoção!

4 – Levar gato por lebre

Outro problema narrado na matéria diz respeito a promoções que obrigam o consumidor a levar algo que ele não deseja. O texto narra a situação de um consumidor que comprou um celular que desejava, mas levou como “complemento” um plano de operadora de telefonia celular…

5 – O desconto pode ser menor do que o anunciado na promoção do site de compra coletiva


É comum que as empresas anunciem um desconto e, na prática, ofereçam um percentual menor. Na verdade, isso é comum também nas lojas comerciais que visitamos diariamente. As empresas usam o expediente de anunciar “até x% de desconto” e oferecem um percentual muito menor; e, quando confrontadas, apenas dizem que o desconto era de ATÉ x%, e não DE x%. Bonito, não? E essa prática também é muito comum nos sites de compra coletiva. Portanto… leia bem e faça as contas. Afinal, uma continha básica de percentagem é muito fácil de fazer!

6 – Custos adicionais não explicitos na promoção

As empresas que oferecem seus serviços por meio dos sites de compra coletiva também incluem, às vezes, custos não explicitados. A matéria cita, por exemplo, o caso de uma promoção em um parque de diversões que diminuía drasticamente o valor do ingresso – mas não avisava que, se o consumidor desejasse estacionar dentro do parque, deveria pagar R$ 30,00 só pelo estacionamento. Em outro caso, o cliente comprou uma promoção em um prato de um restaurante, mas não foi alertado que o simples ingresso no estabelecimento era cobrado.

7 – Datas e horários específicos para aprovetiar as promoções

Algumas empresas também usam do expediente de fixar horários e datas bastante específicos para usufruir das promoções. Imagine comprar uma promoção de bebidas e alimentos em um bar e descobrir que só se pode usufruir da promoção entre as 18:30 e 19:30h….

8 – Qualidade péssima do serviço

Outra reclamação que foi bastante notada pela matéria diz respeito à qualidade dos serviços prestados. Em um dos casos, um cliente se hospedou em um hotel fazenda que, por conta da promoção, não tinha bons quartos disponíveis – e ele teve que se contentar com um quarto horrível, que normalmente não seria destinado à hospedagem de clientes.

E você? Já comprou em sites de compra coletiva? E enfrentou dificuldades? Ou foi bem atendido?

ADFVN



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as