Pular para o conteúdo principal

A mobilização precisa continuar. Para o preço da gasolina ficar justo e para as passagens de ônibus não aumentar.

Não, o consumidor do DF não precisa de uma explicação; Já ficou comprovado por várias vezes que o poder de mobilização da sociedade transforma atitudes ilegais, criminosas em conquistas e respeito. Vejamos lá atrás quando criticamos e fomos cúmplices do governo Sarney. Minha mãe foi fiscal dele. Nunca deixamos de acompanhar de forma decisiva as políticas econômicas e suas mazelas. Vejam o barulho produzido por consumidores nos últimos dias contra o aumento abusivo do combustível. Podemos avaliar que de alguma forma as autoridades e os empresários do ramo tiveram que recuar em seus atos e até mesmo no seus argumentos, só não recuaram em acusar e responsabilizar o governo e o próprio consumidor (dirigentes dos empresários dizem que a frota de carros cresceu demais e um aumento do ICMS provocou o aumento) por seus atos cometidos de forma ilegal e intempestiva. Hoje se lê em vários jornais que em 3 capitais o preço do Etanol (álcool anidro) já está mais vantajoso que preço da gasolina. Esses estados são os primeiros a sentirem o peso das reclamações, mas também são os primeiros a receberem etanol com preço diferenciado. A impressão que se tem é que esse combustível nunca vai chegar ao Distrito Federal, pois pasmem o segundo estado a baixar o preço é o estado do Mato Grosso e olha que a distância é bem maior. 
Em tempo: O sindicato das empresas de transportes público de Brasília está com um estudo pronto e bastante detalhado sobre o consumo e os "desgastes" que o setor vem tendo nos últimos anos. Sugerem um aumento de quase 50% nas passagens de ônibus. Alegam também que o preço do combustível tem subido constantemente. Em entrevista no programa Conta Corrente da Globo News de 13 de maio o presidente da Federação dos Combustíveis, Paulo Miranda, afirmou que o diesel foi único combustível que não teve aumento nos últimos quatro anos e que estão satisfeitos com esse preço porque o Brasil é alto consumidor - 80% do transporte de carga -e a economia é bastante punjante, pois a frota e a malha viária contribuem para a estabilização do preço. Fica o recado.

Comentários

SONHADOR disse…
Hamilton o povo tem que se mobilizar e protestar de forma ainda mais forte, nos os consumidores finais queremos preços justos, que o governo reduza os impostos, que a margem de lucro dos postos sejam menores, que seja incentivada a produção de etanol...o importante é atender a demanda, já falta estrutura para atender tantos veiculos nas ruas e pode faltar combustivel...não há porque segurar o crescimento da economia do pais...apesar de estamos com a polica contracionista...
Hamilton Silva disse…
Olá Sonhador,
Primeiro quero pedir desculpas pela demora para responder. Em segundo dizer que você está muito correto quando diz qeu não podemos "segurar o crescimento". Agora digo a você que o desenvolvimento sustentável e uma maior participação social do grandes temas fará do Brasil um grandioso país..... mais do que é hoje!
Abraço

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as