Pular para o conteúdo principal

Revanchismo e apatia

É visto em vários cantos da cidade algumas pichações de pessoas que se identificaram com o governo de José Roberto Arruda. Pichações do tipo: "Graças a essa obra chego mais cedo em casa...... oh que saudade do Arruda!"
Realmente tinha que ser através de pichações que estes cidadãos poderiam se manisfestar, até porque se vierem a público de outra forma serão considerados comparsas do governo mais corrupto que Brasília já teve. É desses meios de comunicações que a marginalidade se manifesta.
 Não se pode negar que as parcerias com o setor privado foram um sucesso no que tange a prazo e a eficácia das obras e principalmente a relevância de algumas outras  significativas para a sociedade brasiliense. Já foi.
A pauta agora é a apatia com que se tem testemunhando o governo petista na capital federal. Muitas são as necessidades da cidade, mas todos acreditaram que o governo de Agnelo poderia ser mais presente. Não, não é. Moroso nas ações simples e burocrático nas execuções fundamentais para funcionamento da máquina público. Não é díficil ver  que fazer sem roubar é complicado. 
Brasília merece mais, muito mais......

Comentários

Anônimo disse…
É estamos a mais de 100dd de governo, e esperava já poder ver alguma melhora principalmente na saúde que continua estagnada, senão pior porque o que a mídia tem mostrado faça-me o favor... cade os compromissos de campanha? As promessas que lhe deram a vitória nas urnas Sr Governador do DF? A exemplo dos demais falar é fácil, e executar até quando teremos de esperar para ver? E estamos diante de oportunidade única onde governo federal e distrital rezam a mesma cartilha, ou seja tudo para alavancar o DF, se não for desta vez, podemos esquecer e perder as esperanças...
Hamilton Silva disse…
O cidadão brasiliense que paga seus impostos está cansado de tanta coisa errada. O senhor tem toda razão leia este link que saiu hoje no Correio Braziliense http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2011/04/17/interna_cidadesdf,248207/auditorias-confirmam-despejo-de-recursos-publicos-do-df-pelo-ralo.shtml

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000