Pular para o conteúdo principal

Administração Pública Brasileira: O modelo a ser seguido, características e problemas enfrentados


O Desafio de Acertar

Ainda em processo de aprofundamento e adequação a Administração Pública Brasileira vive um debate(devia ser mais intenso) sem fim a respeito do modelo que deve ser absorvido pela gestão. Em simpósio realizado em 13 de abril sobre "Inovação em Gestão Pública" a ministra Mirian Belchior ressaltou que, para alcançarmos o objetivo de erradicar a pobreza e prosseguir as mudanças iniciadas no governo Lula, “teremos que enfrentar sistemicamente e com empenho ainda maior os desafios de inovação na gestão, tanto na área pública, quanto na privada”.


No Brasil basicamente três modelos de Administração Públicas foram e estão sendo utilizados:


O Modelo Patrimonialista;
 Com base estamental e com uma ausência clara de separação entre o público privado e uma aristocracia muito fortalecida privilegiada. Nota-se o vencimento desse modelo . Gerou um nepotismo desenfreado e criou um clientelismo cultural. Esse modelo não tem mais espaço na Administração Pública brasileira.

Modelo Racional-Legal (Burocrático); Com uma separação nítida das esferas pública privada ganhou um espaço significativo nos administradores públicos em um passado não muito recente. Isso, porque gerou impessoalidade e neutralidade no funcionalismo, causando assim: discilplina, obrigações objetivas, hierarquia, qualificação e competência. Os principais problemas desse modelo ainda nos cercam. Vejamos: separação entre política e administração, fortalecimento do formalismo, problemas de desempenho e evolução em favor do insulamento. 
Modelo Gerencial (Empreendedorismo Público, Pós-Burocrático, Gerencialista): Esse surge inspirado pelo setor privado que tem o modelo ideal de gestão, ou seja, aumento de eficiência e produtividade da organização com redução significativa de custos. A privatização no pós-guerra e a posterior desregulamentação são caractristicas do "managerialism" que ganhou simpatia de todos pelos resultados alcançados e pelo formato envolvente de toda a máquina administrativa seja pela responsabilidade, seja pela consciência gerada no corpo funcional. Os problemas deste enfoque: Os critérios de eficiência extremamente rígidos, avaliação qualitativa menosprezada pecou na análise das diferenças interna da Administração Pública, baseou-se na crença do insulamento burocrático. 
Tem ignorado os conceitos de equidade. Reinventar o governo torna-se necessário. Tornar a competição entre os prestadores de serviços mais real e com fiscalização rígida, transferir o controle das atividades para a comunidade, dar maior poder aos cidadãos. Monitorar e medir as ações das Agências governamentais através de resultados qualitativos. Orientar-se por objetivos e não somente por leis, regras e regulamentos. E finalmente redefinir os usuários como clientes que merecem respeito e transparência na tomada decisões. No planejamento e na execução orçamentária deve-se priorizar investimento na produção de recursos e não no gasto, deve-se ainda atuar na prevenção de problemas e não na remediação utilizando a descentralização da autoridade. A Gestão Pública deve também preferir os mecanismos de mercados favoráveis ao bem comum em detrimento de soluções burocráticas que se demonstraram ineficientes no trato da "coisa pública".




Fonte: Oborne e Gaebler

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as