Pular para o conteúdo principal

A Base da LRF - Um breve histórico

Quando o processo de elaboração da Lei de Responsabilidade Fiscal começou a ser elaborado, muitas foram as contribuições da sociedade civil organizada e muitas consultas tornaram-se substância para o PL no Congresso Nacional. Essas consultas resultaram naquilo que posso chamar de embrião de uma nova ordem jurídica gestão pública no Brasil, pois reformulou todos os mecanismos de controle e de administração pública existente. Vejamos algumas consultas que nortearam de forma decisiva a LRF que temos hoje:

  • Imposição de limite de gasto com pessoal no Judiciário, Legislativo e Executivo e nas Instituições com autonomia financeira e orçamentária no município, no estado e na união;
  • Uso do conceito de receita tributária disponível para servir de referência aos limites de despesas de pessoal e dividas. 
  • Prazo maior no enquadramento nos limites de endividamento em virtude das mudanças de politíca monetária e cambial. isto foi através de resolução do Senado Federal.
  • Maior prazo também no prazo do acerto da conta Restos a Pagar, minimizando incompatibilidades especificas de municípios e estados;
  • Construção de uma regra de transição para entes não enquadrados no limite de endividamento;
  • Criação de norma impeditiva aos Estados, quanto a transferências de recursos aos Municipios.
Foi assim que surgiu a Lei de Responsabilidade Fiscal, com muitas contribuições e muitas esperanças. Uma conduta que deve ser seguida por administradores, gestores e governantes nas três esferas no Distrito Federal, sob pena de severas sanções.
Com essa Lei o planejamento e a execução orçamentária tornam-se mais consistente e passa ao governante/gestor a possibilidade de uma administração saneada e com metas bem definidas. Diria até que ajuda na configuração de futuras Ações de Governos mais audaciosos baseando-se no planejamento estratégico pautado pelo princípio da prudência.




Fonte: Finanças Públicas - José Matias-Pereira

Comentários

Unknown disse…
PARABÉNSSSSSS,MUITO SUCESSO NA SUA CARREIRA,DEUS CONHECE OS SEUS SONHOS,ELE TEM O MELHOR PARA SUA VIDA...SEJA ABENÇOADO SEMPRE.....BJO NO SEU CORAÇÃO.

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000